a marinha portuguesa nega ter encontrado o corpo de Jean-Jacques Sauvin

O francês de 75 anos, que tentava atravessar o Atlântico a remo, ainda está desaparecido, enquanto sua comitiva havia indicado no dia anterior que seu corpo havia sido “encontrado sem vida” dentro de seu barco.

O francês Jean-Jacques Savin, de 75 anos, que tentava atravessar o Atlântico a remo, continua desaparecido nos Açores, anunciou a marinha portuguesa no domingo, enquanto a sua comitiva tinha indicado no dia anterior que o seu corpo tinha sido “encontrado sem vidadentro de seu barco.

«A busca terminou ontem ao final do dia (sábado) sem que tenha sido possível encontrar a vítima“, disse a marinha portuguesa num comunicado de imprensa. Questionada pela AFP, uma porta-voz da marinha explicou que durante a operação de resgate os socorristas tiveram “fortes razões para acreditar que um corpo poderia estar dentroda cabine da canoa L’Audacieux.

O “A segurança marítima portuguesa localizou ontem (sexta-feira) o barco que infelizmente regressou dos Açores. Um mergulhador conseguiu descer e visitar o barco“, especificou um comunicado divulgado no sábado, que acrescentou que “o oceano desta vez foi mais forte que o nosso amigo, ele que tanto amava a navegação e o mar».

O navegador, que se deu a conhecer ao cruzar o Atlântico em barril em 2019, empurrado pelos ventos e pelas correntes, despertou desde a manhã de sexta-feira a preocupação dos seus familiares, a quem não dava sinal de vida desde a noite de Quinta a sexta. “estamos muito preocupados“, disseram à AFP membros da equipa que o tinham perdido de vista a norte da Madeira. “Infelizmente, desde as 00:34 da manhã de ontem (sexta-feira), não temos mais nenhum contato ou qualquer manifestação dele.“, eles disseram depois de especificar que o navegador havia acionado “seus dois sinalizadores de socorro indicando que estamos “em grande dificuldade”».

Na página do Facebook “Jean-Jacques Savin: remando pelo Atlântico“, Manon, sua filha, havia indicado que “Tudo foi imediatamente implementado em coordenação com os serviços de salvamento marítimo francês, português e americano“. Durante os últimos contactos, Jean-Jacques Savin encontrava-se ao largo, a norte da Madeira, a caminho da pequena ilha de Ponta Delgada, no arquipélago dos Açores, para reparação.

Aventureiro de coração

Porque pouco depois de sair de Sagres (sul de Portugal) a 1 de Janeiro, o aventureiro foi rapidamente desviado devido aos maus ventos. O seu percurso inicial foi assim alargado em 900 km e depois teve de se deparar com graves problemas de energia e comunicação. Na quarta-feira, em sua página no Facebook, Jean-Jacques Savin mencionou o “forte ondulação e força do vento“, acrescentando que era obrigado a”use (seu) aguadeiro manual». «Custa-me energia física. Não se preocupe, não estou em perigo!“, ele escreveu.

Jean-Jacques Savin, morador de Arès na bacia de Arcachon, pretendia atravessar o Atlântico em uma canoa e se tornar “o reitor do atlantico», «uma maneira de insultar a velhice“. Ele completou 75 anos no dia 14 de janeiro a bordo de sua canoa de oito metros de comprimento, 1,70 m de largura e equipada com duas cabines e uma estação de remo. A bordo, 300 kg de equipamentos, incluindo alimentos liofilizados, ponto de aquecimento, um arpão para pesca, um dessalinizador elétrico e um manual, seu bandolim, Champagne, Sauternes e foie gras para comemorar seu aniversário.”Vou de férias para o mar aberto, vou tirar três meses de férias“Ele riu pouco antes de sua partida.

Grande esportista eaventureiro de coração“, este ex-paraquedista militar, magro e musculoso, havia passado mais de quatro meses em 2019 em um barco em forma de barril de três metros de comprimento e 2,10 m de diâmetro. Atravessou assim o Atlântico sozinho, impelido pelos ventos e pelas correntes. Esse ex-piloto particular e curador de um parque nacional na África juntou-se assim às Índias Ocidentais, às quais esperava se juntar novamente remando. Ele autografou um livro,127 dias à deriva, o Atlântico em um barril“, em sua aventura que também foi seguida por 23.000 pessoas no Facebook. “Eu remo oito horas por dia, e quando sopra forte, eu me tranco“, ele havia dito antes de iniciar sua jornada.


VEJA TAMBÉM – O incrível gol de um canto direto de Nabil Fekir com o Betis contra o Sevilla FC na Copa do Rei em 15 de janeiro (2-1)

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.