Moreno defende “bom jornalismo” como antídoto para fake news | Cultura e entretenimento | Edição Andaluzia

O presidente andaluz, Juanma Moreno, assegurou esta quarta-feira que os dois antídotos disponíveis para a existência de notícias falsas são “o pensamento crítico e o bom jornalismo”, e que este último actua como um “verdadeiro escudo social a favor da cidadania”.

Em seu discurso durante a entrega da XXXVI edição dos Prêmios Andaluzes de Jornalismo, entre os quais María Teresa Campos na nova categoria de Carreira Profissional, o presidente andaluz disse que as sociedades são mais livres “quanto mais críticas e, portanto, capazes de pensar por eles mesmos”.

Segundo o presidente da Andaluzia, “o bom jornalismo. O jornalismo e a sua verdade bem elaborada” funcionam como um “genuíno escudo social a favor dos cidadãos”, embora isso não signifique que exista apenas uma verdade porque “nasce da escuta versões diferentes e analisar dados de fontes muito diferentes”.

“A verdade não procura satisfazer total ou definitivamente um determinado setor, nem mesmo quando esse setor é a maioria”, sublinhou Moreno, que reivindicou o papel de “jornalismo autêntico e valorizamos o esforço dos jornalistas de todo o mundo e especialmente onde seu trabalho é perseguido”.

Ele tem uma memória para os jornalistas assassinados, que segundo Repórteres Sem Fronteiras subiram para 21 até agora este ano por motivos relacionados à sua profissão e outros 365 estão presos, com casos “preocupantes” como os do México, mas sem esquecer o que está acontecendo na Rússia.

Sublinhou que uma das primeiras decisões de Vladimir Putin depois de invadir a Ucrânia foi acabar com a liberdade de expressão e tinha a certeza de que “sem a livre informação a sociedade está algemada”, mas acrescentou que “felizmente o jornalismo está vivo” e profissionais como os premiados hoje demonstram .

Os XXXVI Prêmios Andaluzes de Jornalismo distinguiram “por unanimidade” a Carreira Profissional, que é concedida pela primeira vez, a María Teresa Campos, que destacou sua extensa carreira, renomada apresentadora de rádio e televisão.

Também foram distinguidos pelo júri Eduardo del Campo, na categoria Imprensa; Jaime Castilla Llorente, na Rádio; Erasmo Fenoy Núñez, em Fotojornalismo; e Grupo Audiovisual Digital Multimedia SA, em Televisão, enquanto em Projeção Internacional Andaluza, que também é premiada pela primeira vez nesta edição, foi premiada a fotojornalista Laura León.

Moreno, que elogiou o trabalho de todos os vencedores, concentrou-se especialmente em María Teresa Campos, com quem chegou ao evento e de quem disse que “qualquer um poderia ter ganho” os prêmios entregues hoje, pois, Na sua opinião, a mulher nascida em Málaga é “a jornalista completa”.

Ele a descreveu como “uma verdadeira líder de audiência” e acima de tudo que ela foi uma “pioneira” em muitos dos formatos lançados pela televisão, em seus primórdios junto com outro dos grandes nomes do jornalismo espanhol, Jesús Hermida da Huelva, e isso “abriu caminho” para muitos profissionais.

Campos, que recebeu a maioria dos elogios e aplausos dos presentes, destacou em seu breve discurso que o prêmio é um “reconhecimento que a vida me dá”, e após ironicamente sobre o muito trabalho que tinha antes, fez uso de versos de Joan Manuel Serrat a reconhecer que “a vida tem um café comigo hoje”.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *