Portugal reflete sobre eleições apertadas que preveem uma governabilidade difícil | Mundo | Edição América

Portugal vive hoje o dia de reflexão que antecede as eleições legislativas de domingo, para as quais as sondagens preveem uma batalha acirrada entre a direita e a esquerda que vai dificultar a governação do país e com a ameaça de elevada abstenção devido à pandemia .

Depois de meses em que o Partido Socialista do primeiro-ministro António Costa despontava como o claro favorito, as sondagens viraram esta última semana para um empate técnico e dão esperança aos conservadores de Rui Rio (PSD, centro-direita).

Todos os cenários estão abertos, de uma nova “geringonça” de esquerda a uma de direita, como o próprio Rio reconheceu no final da campanha, mas não está descartado um “acordo de cavalheiros” -não um governo- entre PS e PSD ou se ninguém recebe as contas.

Mais de 10,8 milhões de eleitores são chamados às urnas neste domingo, onde o alto número de indecisos -estimado em cerca de 11% do censo- e o voto dos confinados -já são mais de um milhão- mantêm a expectativa diante do eleições.

CONTRA A ABSTENÇÃO

Com o silêncio dos 21 candidatos que concorrem, conforme assinalado pela lei eleitoral em dia de reflexão, as atenções deste sábado centraram-se no presidente, o conservador Marcelo Rebelo de Sousa, que fez um apelo ao voto sem medo pelo pandemia.

“Sei que a pandemia, o cansaço, o conformismo e outros motivos do foro íntimo são, para muitos, argumentos para optar por não escolher. dizendo que estamos vivos.”, disse em mensagem televisionada às vésperas da eleição.

Rebelo de Sousa apelou ao voto “sem medo e sem inibições” nas eleições que vão anteceder anos decisivos para o país, com o fim da pandemia e a reconstrução social e económica, também marcada por desafios europeus e tensão internacional.

O fantasma da abstenção paira sobre a votação deste domingo, depois de ter atingido 51% nas últimas eleições legislativas (2019). Nas eleições presidenciais há um ano, com o país confinado, ultrapassou os 60%.

Os apelos ao voto também partiram da autoridade eleitoral, que garante que estão garantidas todas as condições para que o direito de voto possa ser exercido com “absoluta segurança” apesar dos registos de infeções registados esta semana -mais de 60.000 diariamente -.

“Não há dúvidas de que o voto é seguro, pelo que não há justificação para qualquer cidadão deixar de votar por medo da sua saúde”, considerou este sábado a Comissão Nacional de Eleições.

O QUEBRA-CABEÇA DA GOVERNANÇA

Esquadrinhar o quebra-cabeça que sai das urnas para garantir a governabilidade parece ser o grande desafio depois deste domingo, um encontro com as urnas após um avanço eleitoral forçado pelo fracasso do Orçamento para 2022 do Governo socialista de Costa, que ficou em paz no Parlamento.

Apesar de seus ex-parceiros da “geringonça”, o Bloco de Esquerda e os comunistas, terem votado contra esse roteiro financeiro, não está descartada uma reedição do pacto que permitiu a Costa governar um primeiro mandato de quatro anos sem sustos.

Não é o único cenário possível. Tampouco está descartada uma vitória dos conservadores do PSD, que se abriu para testar sua própria “geringonça” com os partidos de direita.

“António Costa ensinou que se pode fazer diferente”, disse Rui Rio na sua última entrevista na sexta-feira à noite.

Embora o Rio enfrente um dilema: as pesquisas preveem que será impossível para o PSD formar um governo sem o Chega.

A igualdade nas pesquisas ressuscitou outra opção se os números não baterem, um “acordo de cavalheiros” entre PS e PSD que permite que o partido mais votado governe sem que o outro atrapalhe.

A última palavra será para os portugueses este domingo.

Paula Fernandez

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.