Portugal e a ascensão do direito de identidade

Este ano marca o 50º aniversário do golpe militar que derrubou o Estado Novo de Portugal em 25 de abril de 1974. Foi então que o “revolução dos cravoss” contra o regime autoritário de Marcel Caetano – um regime fundado em 1926 pelos militares e consolidado por António de Oliveira Salazar – foi ele próprio derrubado por uma revolta militar motivada por questões corporativistas de antiguidade e promoção. A democracia só foi restaurada em Portugal em 25 de novembro de 1975, após 18 meses. Historicamente, era conhecido como PREC (Processo Revolucionário em Andamento). Este sistema, dominado por comunistas e esquerdistas, nacionalizou grandes indústrias e bancos e prendeu centenas de opositores sem acusação.

Em 2024, 50 anos após o golpe militar, a situação política em Portugal parece estar a atingir níveis inesperados de tensão, com eleições antecipadas marcadas para 10 de março. O governo de maioria absoluta do primeiro-ministro socialista António Costa caiu recentemente na sequência de uma série de acontecimentos políticos e escândalos financeiros que afetaram os mais altos níveis do governo. O Sr. Costa tomou a iniciativa de apresentar a sua demissão ao Presidente da República, que então organizou eleições gerais. Estas eleições realizam-se num contexto de crise económica e social aguda, que o governo, embora apoiado por uma comunidade mediática dependente de subsídios e créditos estatais, já não consegue mascarar.

O problema de continuar por meio século de “restauração da democracia” é que Portugal está longe do que foi originalmente prometido aos portugueses. Na sua propaganda, o núcleo militar revolucionário do Movimento das Forças Armadas (MFA) – grupo inspirado e dominado pela esquerda radical – proclamou como programa os famosos “Três D”: Descolonização, Democracia e Desenvolvimento. Mas 50 anos depois, a realidade está longe de ser eufórica: os países descolonizados, Angola e Moçambique, viveram longas guerras civis e, apesar do estabelecimento oficial de regimes democráticos, ainda são governados pelas mesmas pessoas. movimentos de independência: o MPLA em Angola e a FRELIMO em Moçambique. Na Guiné-Bissau, o Presidente Sissoco Embaló deu recentemente um golpe de Estado, dissolvendo o parlamento e demitindo o governo. Sob a presidência, as violações dos direitos humanos, como as detenções arbitrárias, a tortura e o rapto de figuras da oposição, são comuns.

O desenvolvimento, o terceiro “D”, é outra mentira. Recentemente, o historiador e professor da Universidade de Manchester, Nuno Palma, publicou um livro sobre a história económica de Portugal no qual demonstra, com estatísticas de apoio, que foi nos últimos anos do Estado Novo de Salazar – a “ditadura ”- que Portugal se aproximou dos países desenvolvidos da Europa.

Hoje, Portugal enfrenta desafios em todas as áreas, resultados de muitos anos de mau governo: os salários são os mais baixos da Europa Ocidental, o serviço nacional de saúde (que já foi excelente) está em crise profunda, as ruas de Lisboa estão cheias de sem-abrigo , os jovens qualificados emigram de um país onde não têm emprego, nem habitação, nem futuro, e onde os serviços públicos estão em dificuldades. Tudo isto acaba por ter impacto na política, o que nos leva ao segundo “D”, a democracia, o último dos “Ds” que se tem revelado decepcionante desde 1975. Até há dois anos, Portugal era o país mais à esquerda na Europa. Poderíamos até dizer que ele não tinha direito, ou que só tinha a ala direita da esquerda. Basta dizer que, até recentemente, a Social Democracia de centro-esquerda era o partido onde a direita portuguesa podia votar.

Mas a situação está a mudar em Portugal pelas mesmas razões que levaram ao crescimento da direita política na Europa. É uma direita política de tipo nacional-conservador ou nacional-populista ou popular, que já governa em Itália e na Hungria, que domina a oposição em França e nos Países Baixos, e que se desenvolveu recentemente na Suécia, na Finlândia e na Alemanha. Estes novos “direitos” desenvolveram-se por razões de identidade nacional e de reacção à imigração, mas sobretudo por causa da disfunção do sistema político, que não conseguiu responder aos problemas criados pelo globalismo: desindustrialização, imigração em massa, declínio do nível de vida das classes trabalhadora e média.

Portugal não sofreu com a imigração ou separatismo norte-africano, como a Espanha. Mas ele experimentou a ausência da direita nos partidos políticos durante meio século. É este vazio político que um jovem dissidente do PSD, o professor André Ventura, preencheu com o seu novo partido Chega. Em 2019, o Chega obteve 1,29% dos votos e elegeu um deputado, o próprio André Ventura; mas um ano e meio depois, nas eleições para a presidência da República, Ventura obteve 12%. Nas eleições legislativas de 2022, ultrapassa os 7% e surge na terceira posição, atrás do PS e do PSD, com 12 deputados.

Ventura se declara um nacionalista político, conservador social e liberal econômico com preocupações de justiça social. Apesar de uma campanha caluniosa liderada pela comunicação social e outros partidos, que o acusaram de xenofobia, racismo, homofobia e todo o tipo de outras “fobias”, a sua popularidade e a do partido Chega só aumentaram. crescer. A última sondagem de 19 de fevereiro dá ao Chega 18% das intenções de voto a nível nacional; a coligação AD (Aliança Democrática) tem 30% e o PS (socialistas) 27,5%. O BE (Bloco de Esquerda) de extrema-esquerda cai para 4,2% e a CDU (Comunistas) praticamente desaparece, com 2,6%. Outro novo partido, a IL (Iniciativa Liberal), liberal no plano económico, globalista e liberal no plano da ética e da moral, deverá obter 5,5%.

A única forma de formar um governo de esquerda será obter a participação ou o apoio do Chega. Fortemente influenciado pelo clima de correcção política imperante, o líder do PSD, Luís Montenegro, já declarou que não aceitaria uma aliança com o Chega. A esquerda está em minoria. Como resultado, Portugal será muito provavelmente assolado pela instabilidade política durante as comemorações do 50º aniversário do golpe de Abril, e a esquerda portuguesa, que sempre gostou de se apresentar como o único representante da vontade democrática, parece ter a oportunidade de pessoas contra ela.

Lusitano (O conservador europeutradução breizh-info.com)

Crédito da foto: DR
[cc] Breizh-info.com, 2024, despacho gratuito para cópia e distribuição, sujeito a menção e link para a fonte original

Marco Soares

"Leitor. Defensor da comida. Fanático por álcool. Fã incondicional de café. Empresário premiado."

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *