O “milagre português” posto à prova

Postado em 30 de janeiro de 2022, 7h35

Os portugueses são chamados às urnas no domingo. São convocados para eleições legislativas antecipadas que ninguém queria. Pegaram o país com o pé esquerdo, em plena pandemia. O primeiro-ministro cessante, o socialista António Costa, é o favorito nas sondagens.

Ele foi creditado nas últimas semanas com 38% dos votos, contra 30% do seu principal adversário, o ex-prefeito do Porto, Rui Rio, chefe da lista do PSD (centro-direita), mas a diferença entre os dois homens parece estreitaram. reduzido a alguns pontos no final da campanha. Todos os cenários permanecem em aberto e os sonhos da maioria absoluta estão se esvaindo.

António Costa tem para si o bom funcionamento da economia e a eficácia da sua ação face à pandemia, com uma campanha de vacinação recorde na Europa. Diante dele, Rui Rio critica a burocracia da administração e os pesados ​​encargos que dificultam os negócios. Ele espera reviver o centro-direita que ainda sofre com a dolorosa memória de sua gestão de anos de austeridade, sob a vigilância da Troika.

Mas uma das incógnitas da campanha está do lado da formação de extrema-direita Chega, que entrou no parlamento em 2019. Em ascensão, pode complicar a ascensão dos conservadores, que prometeram não se aliar a extremistas.

Relançamento parado no meio do caminho

Em 2015, António Costa soube capitalizar o cansaço dos portugueses face aos esforços fiscais impostos pelo governo de direita, em plena recessão. Político habilidoso e carismático, o líder socialista conseguiu superar as fraturas da esquerda para conquistar uma maioria sem precedentes ao prometer outra saída para a crise.

“Contra todas as probabilidades, sua aposta funcionou”, diz a analista Raquel García, pesquisadora do Instituto Elcano de Estudos Internacionais. “Ele conseguiu combinar uma prudência orçamentária aplaudida por Bruxelas, ao mesmo tempo em que aumentou os salários dos funcionários públicos, o salário mínimo e as pensões, e aliviou a carga tributária sobre as famílias, que reanimaram o consumo e trouxeram novo otimismo ao país. »

Seis anos depois, a questão é o que resta deste “milagre português”. O balanço econômico agora é misto. É certo que, durante estes anos, Lisboa tranquilizou Bruxelas ao seguir um caminho controlado de saída da austeridade, mas o relançamento da economia portuguesa parou a meio. Foi carregado pelo turismo, sem grandes projetos transformadores, e o entusiasmo foi embotado. As surpresas de domingo podem vir do índice de abstenção e do aumento dos pequenos partidos.

Governando em minoria

Aos olhos dos ex-parceiros de António Costa, do lado do Partido Comunista e do Bloco de Esquerda, o governo contentou-se em restabelecer os direitos sociais, mas faltou ambição. Para os liberais, ele ignorou as reformas estruturais que poderiam modernizar o país.

Perante estas críticas, a questão é saber onde António Costa poderá encontrar alianças se não obtiver a maioria absoluta indicada pelas sondagens. Ele se anuncia disposto a governar em minoria, mesmo que isso signifique negociar cada voto aos poucos.

Mas é precisamente esta maneira de avançar sozinho que acaba de provocar a queda de seu governo, quando, em outubro passado, seus aliados habituais no Partido Comunista e no Bloco de Esquerda o decepcionaram no momento da votação-chave do orçamento, o que levou à dissolução do Parlamento.

Segundo o analista político Nuno Magalhães, da consultoria LLYC, parece claro que a aliança com a extrema esquerda não será renovada. “Costa sabe que os portugueses sempre privilegiaram situações moderadas, entre o PS na centro-esquerda, e o PSD na centro-direita, descreve. A grande exceção foi esse período da ‘Geringonça’, o pacto entre socialistas e comunistas e a extrema esquerda, mas esse arranjo foi apenas uma reação circunstancial à crise. »

Para o candidato de direita Rui Rio, as coisas não são mais simples. Se ele sair por cima, terá que buscar apoio da nova formação da Iniciativa Liberal, evitando a extrema direita.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.