Liberais prometem US$ 8,5 bilhões em novos gastos militares em cinco anos

OTTAWA – O governo liberal respondeu na quinta-feira a meses de pressão da Otan prometendo US$ 8,5 bilhões em novos gastos militares nos próximos cinco anos.

No entanto, essa injeção de novos recursos, prevista no orçamento federal na quinta-feira, parece em grande parte simbólica, já que o governo permanece vago sobre exatamente o que esse dinheiro será usado para comprar.

Além disso, a maioria dessas despesas só será realizada ao longo de vários anos.

As autoridades também reconheceram que, mesmo com o dinheiro extra, o Canadá ainda ficará muito aquém da meta de gastos dos países da OTAN.

Ainda outros aliados estão aumentando dramaticamente seus próprios investimentos militares após a invasão da Ucrânia pelas forças russas de Vladimir Putin.

Em seu documento orçamentário, a secretária do Tesouro, Chrystia Freeland, apenas aludiu a novos investimentos militares e à necessidade de “fortalecer nossa capacidade de nos defender”.

“A invasão da Ucrânia por Putin também nos lembrou que nossa própria democracia pacífica, como todas as democracias ao redor do mundo, depende, em última análise, de nossa capacidade de nos defendermos”, disse Freeland em seu orçamento. Os ditadores mundiais nunca devem confundir nossa civilidade com pacifismo. Sabemos que a liberdade não é gratuita e que a paz só é garantida pela nossa vontade de a defender.

“Portanto, o orçamento prevê um investimento imediato e adicional em nossas forças armadas e propõe uma rápida revisão da política de defesa para que o Canadá esteja pronto para enfrentar um mundo agora mais perigoso”.

O orçamento propõe US$ 8,5 bilhões em gastos militares adicionais ao longo de cinco anos. Em termos reais, isso significa entre US$ 800 milhões e US$ 3 bilhões em novos gastos anuais para o Departamento de Defesa e as Forças Canadenses. Este novo dinheiro vem em cima dos aumentos de gastos anteriores na política de defesa liberal de 2017.

Ucrânia, NORAD

O orçamento fornece especificamente aproximadamente US$ 250 milhões para esforços de mudança cultural dentro das forças armadas (conduta sexual imprópria) e US$ 450 milhões adicionais para a expansão da missão de apoio militar à Ucrânia e uma longa operação antiterrorista nas costas da África e do Oriente Médio.

Mas o orçamento continua vago sobre o que o governo planeja fazer com a grande maioria dos fundos restantes, incluindo quanto dinheiro será usado para melhorar as defesas da América do Norte, juntamente com os Estados Unidos.

A secretária de Defesa Anita Anand no início desta semana prometeu um “pacote de investimento robusto” para modernizar o Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte (NORAD) nos próximos meses, provocando grandes expectativas para o orçamento de quinta-feira.

O plano orçamentário diz que o governo está “revendo opções” para modernizar o NORAD, incluindo a exploração de novos recursos de comando, controle e comunicação e melhoria de “capacidades de dissuasão e contra-ameaças”.

Oficiais militares e especialistas vêm alertando há anos sobre o estado envelhecido do NORAD, partes do qual agora estão obsoletas, pois a Rússia e outros adversários desenvolveram armas mais sofisticadas.

Um alto funcionário financeiro falando em um briefing técnico na quinta-feira sugeriu que as decisões sobre como gastar o dinheiro virão mais tarde, provavelmente após a revisão da política de defesa do governo. Ainda não se sabe quando essa revisão começará.

PIB e OTAN

O documento orçamentário também não especifica como a adição de novos fundos afetará os gastos com defesa como uma parcela do produto interno bruto do Canadá, embora a principal autoridade financeira tenha dito que o Canadá atingirá a marca de 1,5% em cinco anos.

Na esteira da invasão da Ucrânia pela Rússia, é improvável que esse esforço satisfaça os aliados canadenses na Aliança Militar (OTAN), que já instou seus membros a gastar 2% de seu PIB em defesa.

Estima-se que o Canadá gastou apenas 1,36% de seu PIB com as forças armadas no ano passado. Apenas quatro outros membros da OTAN gastaram menos: Bélgica, Luxemburgo, Eslovênia e Espanha.

Todos os membros da OTAN concordaram com a meta de 2% do PIB em 2014, que reafirmaram no mês passado em uma cúpula extraordinária de liderança em Bruxelas. Prometeram então que apresentariam planos para atingir esse objetivo quando se encontrarem novamente em Portugal em junho.

Mas é improvável que a incapacidade do Canadá de cumprir a meta da Otan comprometa a aprovação do orçamento na Câmara dos Comuns. Os conservadores pediram ao governo que aumente drasticamente os gastos militares, mas o novo líder democrata Jagmeet Singh, que recentemente fechou um acordo para apoiar os liberais na Câmara, já chamou o alvo do governo de “arbitrário”, a Otan.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.