Credores da PDVSA apontam para conta bancária de Portugal para cobrar dívidas – AméricaEconomía

Os credores da petrolífera estatal venezuelana PDVSA apontam para fundos mantidos nas contas da empresa no Novo Banco de Portugal para cobrar dívidas não pagas.

O banco porto-riquenho BSJI obteve em julho uma ordem de um tribunal de Lisboa para apreender fundos retidos no Novo Banco em compensação pela quebra de um contrato de crédito da PDVSA com o banco em 2018, de acordo com documentos judiciais vistos pela Reuters.

A fabricante de vidros americana OI Glass Inc e a petrolífera ConocoPhillips, com sede em Houston, buscaram ordens semelhantes para coletar sentenças de arbitragem pela nacionalização de seus ativos, segundo uma fonte com conhecimento direto da situação.

As demandas por pagamentos da conta do Novo Banco totalizam quase US$ 600 milhões, disse a fonte, que falou sob condição de anonimato porque não está autorizada a comentar publicamente.

As medidas representam uma nova frente nos esforços de anos para cobrar dívidas com a Venezuela, que está lutando com uma economia hiperinflacionária e sanções dos EUA destinadas a expulsar o presidente Nicolás Maduro e cortar grande parte de seu acesso ao sistema financeiro dos EUA. .

A outrora próspera nação da Opep viu um colapso econômico sob o governo de Maduro e deixou de pagar mais de US$ 60 bilhões em títulos. Deve bilhões a mais em sentenças de arbitragem.

Em novembro, a BSJI ganhou um julgamento de US$ 83,9 milhões contra a PDVSA em um processo no Reino Unido, onde concordou com a petroleira venezuelana para resolver suas disputas, de acordo com um documento do tribunal britânico. O tribunal rejeitou o argumento da PDVSA de que não poderia pagar devido às sanções dos EUA, segundo o documento.

Um juiz distrital de Lisboa concedeu no dia 8 de julho à BSJI o direito de confiscar os fundos detidos no Novo Banco, citando a decisão do tribunal britânico, de acordo com um documento do tribunal português.

Nessa decisão foi referido que “outros credores internacionais procuram satisfazer os seus créditos com os valores depositados no Novo Banco”, sem dar mais pormenores.

Em dezembro, a BSJI obteve licença do Departamento de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, que cumpre as sanções, o que lhe permitiu receber recursos da PDVSA para cobrar dívidas pendentes, conforme cópia da licença visto pela Reuters.

Nem a decisão de 8 de julho em favor do BSJI nem os detalhes da licença OFAC do banco foram relatados anteriormente.

“A BSJI está comprometida em reivindicar seus direitos legais, independentemente da contraparte, do fórum jurídico em que nos encontramos ou de quaisquer outros obstáculos”, disse o conselheiro geral da BSJI, Eric Bloom, em comunicado.

Nem a PDVSA nem os ministérios de petróleo ou informação da Venezuela responderam aos pedidos de comentários.

A Reuters não pôde determinar imediatamente se a OI Glass, que busca cobrar uma sentença arbitral de US$ 500 milhões pela desapropriação de duas fábricas na Venezuela em 2010, ou a ConocoPhillips, que tem US$ 8,5 bilhões em danos relacionados à desapropriação de seus ativos em 2007, obteve ordens de um tribunal em Portugal.

A OI Glass e a ConocoPhillips não quiseram comentar.

Em 2017, a OI vendeu seu prêmio para um fundo de investimento irlandês não identificado por US$ 115 milhões, mas pode receber pagamentos adicionais se o fundo conseguir cobrar, mostram os registros da empresa.

Em outubro de 2020, um tribunal português estendeu o congelamento da conta da PDVSA no Novo Banco devido ao risco de peculato, lavagem de dinheiro ou outros crimes financeiros, o que significa que não está claro quando a BSJI ou outros credores poderão cobrar.

Em fevereiro de 2019, o banco bloqueou uma tentativa do governo Maduro de transferir os fundos para bancos no Uruguai, segundo o parlamentar da oposição venezuelana Carlos Paparoni.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.