vinte pessoas mortas por um ataque russo em Kharkiv, França anuncia ajuda de 300 milhões de euros

Atualização sobre a situação no terreno ao meio-dia

O exército russo entrou em território ucraniano há exatamente três semanas e, depois de avançar em várias frentes, as linhas se estabilizaram. “As forças russas não lançaram nenhum ataque em larga escala desde 4 de março”resume Michel Goya, ex-soldado e historiador em sua conta no Twitter. Os serviços de inteligência e defesa americanos fazem a mesma observação: uma progressão interrompida e, portanto, um uso maciço de mísseis. Segundo fontes citadas pelo New York TimesDiz-se que a Rússia disparou mais de 980 mísseis desde o início da guerra.

O abrigo antibombas no teatro bombardeado de Mariupol não foi destruído, o número ainda é incerto. O Teatro Dramático, no centro da cidade sitiada por dezesseis dias, havia sido bombardeado por aviões russos na quarta-feira, segundo a prefeitura. O prédio de três andares foi totalmente destruído, mas o abrigo antiaéreo, no qual “mais de mil” de civis se refugiaram, está intacto, segundo dois deputados ucranianos. Em sua página no Facebook, Sergiy Taruta diz que “as pessoas saem vivas”sem poder dar números precisos.

Isso se explica pelo fato de que o socorro está vasculhando os escombros desde a manhã de quinta-feira, segundo a prefeitura. A Rússia nega ter bombardeado o local e acusa o regimento Azov, uma formação de extrema-direita ucraniana, sobre a qual já havia rejeitado a responsabilidade pelo ataque a uma maternidade. A Human Rights Watch disse na quarta-feira que não poderia “Descartar a possibilidade de um alvo militar ucraniano na área do teatro, mas sabemos que o teatro abrigava pelo menos 500 civis”.

Assediado, privado de corredores humanitários duradouros e bombardeado incessantemente por dezesseis dias, o grande porto do sul da Ucrânia sofreu uma destruição inimaginável para seus habitantes. Eles ainda seriam 300.000 para sobreviver em condições terríveis. O mundo conseguiu contatar, na quarta-feira por telefone, dois moradores que acabaram de ser evacuados. Um deles disse:

“Hoje, Mariupol é um inferno aberto. Bairros inteiros foram arrasados. »

Fim do toque de recolher em Kiev, ataques aéreos em Kharkiv. O exército russo vem usando as mesmas táticas há várias semanas – um cerco gradual e uma enxurrada contínua de fogo de artilharia – na tentativa de assumir o controle da segunda maior cidade da Ucrânia, onde pelo menos 500 pessoas foram mortas desde 24 de fevereiro, segundo oficiais locais. “Estamos sofrendo grandes perdas, 53 cidadãos foram mortos ontem”disse o governador, Viacheslav Chaus, sem que essa avaliação pudesse ser verificada de forma independente.

O toque de recolher na capital, em vigor desde a noite de terça-feira, foi suspenso na manhã de quinta-feira. Horas antes, destroços de um míssil caíram em um prédio residencial e mataram uma mulher. No Noroeste, os combates continuam esporadicamente nas localidades de Irpin, Boutcha e Hostomel.

Um homem chora ao lado do corpo de sua mãe, que foi morta quando um míssil interceptado atingiu um prédio residencial, em Kiev, em 17 de março.

O pedágio humano. Quase 700 civis foram mortos desde o início da guerra e mais de 1.110 outros ficaram feridos, segundo a ONU. Mas esses números são muito difíceis de verificar, especialmente quando ainda estão ocorrendo combates ou bombardeios no terreno, a ONU insiste no fato de que suas avaliações diárias são provavelmente muito inferiores à realidade.

Desde o início da guerra, a presidência ucraniana divulgou um relatório oficial de 1.300 soldados mortos, enquanto a Rússia divulgou, em 2 de março, apenas um relatório até agora: 498 soldados mortos. A inteligência dos EUA estima as baixas militares russas reais em cerca de 7.000 soldados, de acordo com New York Times.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.