um retorno parcial às urnas em março

O Tribunal Constitucional invalidou o voto por correspondência da diáspora portuguesa para as eleições legislativas de 30 de Janeiro último. O novo governo liderado pelo primeiro-ministro Antonio Costa, tendo conquistado a maioria absoluta, ainda terá que esperar até abril para poder começar.

A notícia passou quase despercebida fora de Portugal. Tínhamos saído do país no dia seguinte às eleições legislativas de 30 de janeiro. O Partido Socialista do primeiro-ministro cessante Antonio Costa havia conquistado a maioria absoluta nesta eleição antecipada, causada por um impasse no orçamento de 2022. Esta semana, o novo governo deveria tomar posse. Nada vai acontecer.

Os portugueses serão de facto obrigados a regressar às urnas. Mais especificamente, são os 1,5 milhão de expatriados, incluindo 900.000 na Europa, que são chamados a votar novamente. De fato, o Tribunal Constitucional acaba de cancelar o voto da diáspora.

Cópias de carteiras de identidade que estão faltando…

O caso é bem engraçado. Embora a lei eleitoral portuguesa preveja que o voto por correspondência deve ser acompanhado de uma cópia do bilhete de identidade do eleitor, muitos boletins de voto foram validados sem que o documento de identidade fosse anexado ao envelope. Uma falta de jeito estaria na origem de uma mistura entre cédulas válidas e inválidas. No final, cerca de 157.000 votos contados tiveram que ser invalidados.

Os conservadores do PSD, duramente espancados nas eleições do final de Janeiro, foram os primeiros a denunciar o erro cometido. Outros partidos da oposição aderiram às diligências que levaram ao acórdão do Tribunal Constitucional: a diáspora portuguesa deve voltar a votar para que seja registado o resultado final das eleições legislativas.

Novo prazo previsto para 23 de março

Está a ser enviada uma nova salva de boletins de voto, inclusive para o Luxemburgo, que acolhe cerca de 95 mil portugueses expatriados. Os eleitores entre eles são chamados a devolver o envelope – com cópia da carteira de identidade – até 23 de março, o mais tardar.

Somente após a contagem é que a cédula pode ser validada como um todo. A nova Assembleia da República pode então tomar posse. Em abril, tomará finalmente posse o governo Costa III, formado apenas pelo Partido Socialista. A maioria absoluta conquistada no final de janeiro, de fato, não é de forma alguma posta em causa por este soluço eleitoral. A diáspora portuguesa tem apenas quatro deputados na Assembleia.

O país continua paralisado

Isso não impede que Portugal permaneça paralisado desde a dissolução do Parlamento no início de novembro, na sequência de um bloqueio ao projeto de orçamento para 2022. Desde então, o governo está em atividade rotineira. Um orçamento ainda não foi votado.

O Partido Socialista (PS) obteve 41,7% dos votos e pelo menos 117 deputados de um total de 230, obtendo assim a segunda maioria absoluta de sua história.

Carta branca para Antonio Costa

A formação do primeiro-ministro demissionário Antonio Costa acabou melhorando sua pontuação de 2019 (36,3% e 108 eleitos), e não dependerá mais de seus ex-aliados da esquerda radical. O Bloco de Esquerda e a coalizão comunista-verde (Coalizão Unitária Democrática, CDU) foram severamente punidos depois que provocaram eleições parlamentares antecipadas ao rejeitar o projeto de orçamento de 2022.

A grande vitória dos socialistas é uma surpresa, pois as sondagens deram ao ex-prefeito de Lisboa pescoço a pescoço com seu rival de centro-direita Rui Rio, do Partido Social Democrata (PSD), um dos grandes perdedores nesta eleição (27,8% ).

Leia também -> Reações no Luxemburgo

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.