UE compromete-se a compras conjuntas de gás – Projecto de declaração – 22-03-2022 às 10:34

por Kate Abnet

BRUXELAS, 22 Mar (Reuters) – Líderes de países da União Europeia se comprometerão a comprar conjuntamente gás natural, gás natural liquefeito (GNL) e hidrogênio antes do prazo do Conselho Europeu do próximo inverno, previsto para ocorrer em Bruxelas nesta semana, mostram seu rascunho do comunicado final. .

A invasão da Ucrânia pela Rússia, o maior fornecedor de gás da Europa, elevou os preços da energia e forçou a UE-27 a diversificar urgentemente suas fontes de abastecimento para reduzir sua dependência de Moscou.

O projeto de declaração final do Conselho Europeu, que se centrará nesta questão na quinta e sexta-feira, indica que os Estados-Membros e a Comissão Europeia vão “trabalhar em conjunto na aquisição conjunta de gás natural, GNL e hidrogénio”.

O executivo europeu já havia sugerido no ano passado que os Vinte e Sete agrupariam a criação de estoques estratégicos de gás natural, que estão sendo apresentados por alguns países como a Espanha como forma de lidar com crises energéticas.

Essa proposta, que foi mal acolhida pelos países fornecedores porque limitaria sua margem de manobra nos preços, mas que também gerou reticências dentro da UE, já que a política energética era assunto dos estados, ganhou força devido à guerra na Ucrânia que a curto ou médio prazo poderá comprometer o abastecimento de gás russo, ou seja, 40% das actuais necessidades europeias.

ENCHE O ESTOQUE ATÉ 90%

A Comissão anunciou que vai ajudar a UE-27 a estabelecer um programa de compras conjuntas este ano e deve esta semana propor aos Estados membros a adoção de uma regra exigindo o preenchimento de 90% de suas reservas de gás antes de cada período de inverno. A capacidade de armazenamento da UE está atualmente apenas 26% cheia.

O projeto de declaração enfatiza que os Vinte e sete concordaram em coordenar esses suprimentos e começarão “o mais rápido possível”.

Chefes de Estado e de Governo também discutirão novas medidas para proteger os consumidores do aumento dos custos de energia e otimizar o funcionamento dos mercados de energia.

Os governos europeus já gastaram dezenas de bilhões de euros para mitigar o impacto do aumento dos preços da energia que começou antes da Rússia invadir a Ucrânia.

No entanto, os Vinte e sete lutam para concordar com uma resposta coordenada em um cenário de desacordo sobre a melhor forma de gerenciar o aumento dos preços.

Se França, Espanha, Portugal, Itália, Grécia ou Bélgica defendem a regulação de preços a nível europeu, limitando ou dissociando o preço da eletricidade do do gás, outros países como a Alemanha, os Países Baixos e a Dinamarca estão relutantes em fazê-lo. em particular, dizendo que temem que uma forma disfarçada de subsídios aos combustíveis fósseis desencoraje o investimento em energias renováveis.

(Reportagem de Kate Abnett, versão francesa Tangi Salaün)

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.