três perguntas sobre o desenvolvimento do setor na França

Emmanuel Macron irá a Saint-Nazaire na quinta-feira, 22 de setembro, no Loire-Atlantique, onde 80 turbinas eólicas offshore emergiram da água desde a primavera passada. Por ocasião desta viagem, o Presidente da República apresentará as “linhas principais” do projeto de lei de aceleração das energias renováveis, que será apresentado ao Conselho de Ministros no dia 26 de setembro. Durante uma viagem a Belfort em 10 de fevereiro de 2022, o chefe de Estado estabeleceu o objetivo de fornecer à França cerca de cinquenta parques eólicos offshore nos próximos anos, “40 gigawatts em uso até 2050”. Mas o país ainda está muito longe desse objetivo.

Quantas turbinas eólicas existem na França?

Atualmente, existem pouco menos de 9.000 turbinas eólicas produzindo eletricidade. Seu desenvolvimento acelerou nos últimos dez anos: em 2014 havia quase metade.

As regiões onde as turbinas eólicas são mais desenvolvidas são Hauts-de-France e Grand-Est, que sozinhas representam 50% do fornecimento de energia na França. Por outro lado, a Île-de-France, a região de Provence-Alpes-Côte-d’Azur, a Córsega e os Territórios Ultramarinos são, de longe, as regiões menos favorecidas.

O parque eólico offshore ainda é muito baixo: antes do parque Saint-Nazaire, a França tinha apenas uma turbina eólica offshore, flutuando, ao largo de Le Croisic. No entanto, vários parques, cujas propostas têm mais de dez anos, sairão da água até 2024: será o caso de Saint-Brieuc, Fécamp e Courseulles-sur-Mer.

A França está atrasada em relação aos seus vizinhos?

Se olharmos para a participação da energia eólica na produção de eletricidade dos principais países europeus, a França está claramente atrasada. Na França, o vento produziu pouco menos de 8% da eletricidade em 2020, atrás das hidrelétricas e principalmente da energia nuclear, que representa quase 70% da produção francesa.

A Alemanha lidera entre os nossos vizinhos imediatos: a energia eólica representa mais de 20% da produção de eletricidade, o que é três vezes mais do que aqui. O mesmo na Espanha. Outros países vão ainda mais longe: a quota de eletricidade produzida por turbinas eólicas atinge quase 30% no Reino Unido, 40% em Portugal e até 60% na Dinamarca.

Por que estamos atrasados?

Primeiro por causa de um atraso na ignição: foi só no início dos anos 1990 que a primeira turbina eólica foi instalada na França. Vários países europeus, como Alemanha e Dinamarca, já haviam iniciado a produção em maior escala. Depois, também porque já foram interpostos recursos contra projetos de turbinas eólicas, que atrasaram o canteiro de obras por vários anos.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.