Tim Sparv sobre as condições no Qatar antes do Mundial: ‘Vi progresso, mas ainda estou crítico’

Aposentou-se no final do ano passado e, aos 35 anos, o ex-capitão da Finlândia Tim Sparv (84 internacionalizações) está agora a caminho da carreira de treinador. Mantendo-se mobilizado sobre um assunto pelo qual se compromete publicamente, como seu depoimento, em setembro passado, no site The Players’Tribune: o dos direitos dos trabalhadores estrangeiros no Catar.

Apoiador de um “ativismo do jogador” em questões sociais, o ex-meio-campista defensivo acaba de passar três dias em Doha, depois de ter pedido ao FIFPRO (união mundial de jogadores profissionais), para completar suas reflexões. Ele voltou à Finlândia na terça-feira para mergulhar em outra realidade: emprestou seu apartamento em Vaasa (no oeste do país) a refugiados ucranianos – uma mãe e seus dois filhos – que fugiram da guerra e da invasão russa. “Eles ficarão lá por um tempopensa Sparv, que atualmente mora com a própria mãe. Compramos equipamentos para as crianças e elas podem jogar futebol. »

“Por que você quis vir ao Catar para discutir os direitos dos trabalhadores estrangeiros?
Como você sabe, eu tenho pensado sobre este assunto por algum tempo. Quando eu era o capitão da minha seleção, me fizeram perguntas sobre a situação aqui. Eu não tinha tudo em mãos e para ser honesto, isso me deixou curioso. Entrei em contato com a FIFPRO e eles me convidaram para vir. Eu já havia discutido o assunto por videoconferência com as pessoas no local, mas é diferente quando você está presente fisicamente. Eu queria ver a situação com meus próprios olhos e sentar com as pessoas na mesma sala: trabalhadores, líderes comunitários, federação sindical internacional, inspetores do trabalho, Comitê Supremo (Comitê Organizador da Copa do Mundo)… Ver as melhorias que foram feitas e os obstáculos que alguns trabalhadores ainda enfrentam. De certa forma, todos lutamos pelo mesmo: queremos melhorar suas condições de vida neste país.

“Seria ir longe dizer que uma Copa do Mundo organizada aqui é algo positivo”

Esta não é a sua primeira estadia no emirado…
Não, eu já tinha vindo com a seleção finlandesa para um treinamento de inverno (em janeiro de 2019). Começamos a conversar sobre esse assunto entre nós, achamos que esse lugar não era compatível com nossos valores (um de seus companheiros de equipe, Riku Riski, recusou-se a acompanhar a seleção nacional a este campo por razões éticas). Éramos quase todos da mesma opinião. E depois, fomos para a Espanha para nosso acampamento de inverno.

Como você vê a situação hoje?
Quando o Catar foi escolhido para sediar a Copa do Mundo (em dezembro de 2010), ninguém estava interessado no destino dos trabalhadores estrangeiros. A situação era catastrófica. Mas por dois ou três anos, vemos que está melhorando em alguns pontos. O sistema kafala foi oficialmente abolido, um salário mínimo foi introduzido, é mais fácil mudar de emprego… E se compararmos a situação do Catar com a de outros países da região, como a Arábia Saudita, ela é melhor aqui .

Mas ainda há duas preocupações principais na minha opinião. A primeira é a situação dos trabalhadores domésticos. Recebi testemunhos terríveis sobre isso, sobre casos de abuso infantil e abuso sexual. E quando essas mulheres vão à polícia, ninguém acredita no que elas falam… A segunda preocupação é o que vai acontecer depois que a Copa do Mundo acabar. O Catar sempre procurará melhorar as coisas ou voltará? Qual será o legado? Gostaríamos que uma grande casa de trabalhadores fosse construída aqui. Um lugar onde eles pudessem receber treinamento, ajuda e apoio, quando eles têm um problema de pagamento de salário, por exemplo… Porque hoje, eles ainda não sabem muito bem para onde ir quando têm uma preocupação.

Sua opinião mudou?
Você tem que tentar estar constantemente com a mente aberta. Então, sim, minha opinião mudou um pouco em comparação com seis meses atrás. Não é preto ou branco. Mas seria ir longe dizer que uma Copa do Mundo organizada aqui é algo positivo. Não é, quando você pensa sobre o que aconteceu antes, todas aquelas vidas perdidas, o histórico ruim de direitos humanos… Eu também vi o progresso feito, mas continuo criticando isso que ainda precisa ser feito.

“O rumo que o esporte está tomando não é bom. Atletas são feitos para ir onde outras pessoas lhes disseram para ir”

O que você acha dos apelos dispersos para um boicote a esta Copa do Mundo?
Não sou fã do boicote – é o ex-jogador falando – e agora acho que é um pouco tarde demais… Mas os jogadores têm o privilégio de um certo status na sociedade: os jovens nos ouvem, eles são curioso para saber o que pensamos. Quase todos os dias, temos um microfone ou uma câmera à nossa frente e é uma oportunidade de falar sobre algo além do simples fato de ter perdido ou vencido uma partida. Atletas podem ser colocados em situações muito difíceis: houve os Jogos Olímpicos de Inverno na China (em fevereiro)o Grande Prêmio de Fórmula 1 na Arábia Saudita (27 de março), temos a Copa do Mundo no Catar no final do ano… O rumo que o esporte está tomando não é bom. Os atletas são apenas forçados a ir onde outras pessoas lhes disseram para ir.

A oito meses da Copa do Mundo, ainda é importante manter esses temas no debate público?
Sim, sem dúvida. Cada dia dá a chance de ter um impacto. Recentemente vimos Gareth Southgate e Harry Kane (respectivamente treinador e capitão da seleção inglesa) entrar no jogo sobre isso. É sobre a situação no Catar, mas também sobre o futuro. Nunca há um momento ruim para falar sobre direitos humanos ou para aumentar a conscientização sobre eles. Estou curioso para ver como jogadores, equipes e federações nacionais vão usar esse período. Eu ficaria desapontado ao ouvi-los dizer que estão aqui apenas para jogar futebol. Isso seria o pior para mim. Devemos ter objetivos maiores do que isso. »

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.