São Paulo profundamente dividida, uma metáfora perfeita para a polêmica eleição do Brasil | noticias do mundo

Há uma sensação de Gotham City nos arranha-céus imponentes que dominam o horizonte em todas as direções até onde a vista alcança.

São Paulo é uma megapolis.

É um movimentado centro financeiro, que abriga mais de 12 milhões de pessoas. A cidade atual é a mais populosa das Américas, dos hemisférios ocidental e sul.

É a maior cidade de língua portuguesa do mundo – e Portugal também.

São Paulo tem uma riqueza incrível e uma pobreza terrível.

É um lugar profundamente dividido. E é a metáfora perfeita para Brasileleições presidenciais destruindo o país.

Consulte Mais informação:
A cada dia um novo clube de tiro abre no Brasil de Jair Bolsonaro

Em todo o país, eles estão votando no segundo turno desta eleição, depois que nem o atual presidente Jair Bolsonaro nem seu principal adversário Lula da Silva garantiram os vitais 50% mais um voto necessários para a vitória no início deste mês.

O país está na vanguarda. É impossível dizer onde isso vai levar.

Ambos os candidatos são populistas à sua maneira.

Jair Bolsonaro é frequentemente comparado a Donald Trump, e ele certamente encontra a abordagem de seu amigo americano em relação à fé, questões de gênero, posse de armas e direitos humanos e ele parece simultaneamente se deliciar com grosseria desprezível com uma tênue aderência aos fatos, se for o caso. não se encaixa em sua agenda pessoal.

Como Trump, ele e seus assessores chamaram a eleição de fraudada contra eles.

Imagem:
Há um grande comércio de bens eleitorais

Esta semana, seu filho de 26 anos, Flavio Bolsonaro, disse que seu pai foi “vítima da maior fraude eleitoral de todos os tempos”, embora não tenha fornecido provas.

E se Bolsonaro vencer, essa alegação provavelmente será retirada imediatamente.

Ele poderia ganhar, as pesquisas estão pescoço a pescoço.

Os partidários de Lula da Silva temem que perderam força após a primeira volta, as pesquisas deram-lhes uma sensação inflada de confiança e os resultados das eleições podem não seguir seu caminho.

Lula, um ex-presidente, tenta encenar um retorno notável ao topo da escada política.

Consulte Mais informação:
Confiança e exuberância no comício Lula da Silva no Brasil

Ele foi preso em 2018 por corrupção e depois expurgado. Durante seu mandato de 2003 a 2011, ele foi consistentemente o líder político mais popular do mundo, com índices de aprovação nas décadas de 1980 e 1990.

Muitos pensaram que ele poderia ganhar a presidência no primeiro turno em 1º de outubro. Ele não o fez, e pior para ele e seu partido, o presidente Bolsonaro reduziu a diferença para um punhado de pontos.

Agora tudo está em jogo.

As mesas de votação no Brasil são muito sofisticadas, mas seus resultados têm sido questionados por muitos.

Há um grande comércio de bens eleitorais aqui; toalhas, bandeiras, botões e bonés para ambos os candidatos são vendidos nas esquinas e fora de praticamente todas as estações de metrô e bancas de jornal.

Imagem:
Jair Bolsonaro é frequentemente comparado a Donald Trump

Saulo Adriel e seu irmão montaram uma loja na Avenida Paulista, o equivalente urbano da Oxford Street, e faz muita mercadoria presidencial.

Saulo fica pendurado nos semáforos ao lado de uma faixa de pedestres e tem uma lousa na qual acompanha as mercadorias mais vendidas do candidato.

Ele me disse depois da primeira volta que era literalmente pescoço a pescoço, mas hoje Lula parecia muito à frente. Talvez fosse porque ele estava prestes a organizar um comício na mesma rua.

A questão real é que Saulo diz que contou seus números, e isso parece muito perto de ser chamado.

“Eu não sei quem vai ganhar. Esta é a eleição mais polarizada da história, eu acho”, ele me disse enquanto supervisionava mais vendas.

“Acho que haverá uma diferença de 500.000 a um milhão de votos entre eles, embora não possa dizer literalmente quem vai ganhar.”

Saulo Adriel e seu irmão se instalam na Avenida Paulista
Imagem:
Saulo Adriel e seu irmão se instalam na Avenida Paulista

Enquanto eu conversava com ele, ele atualizou o quadro com mais duas vendas para Lula.

No entanto, está tão perto que ele investe seu dinheiro em ambos.

“Eu e meu irmão já investimos em 1.000 crachás de apoiadores de Bolsonaro e 1.000 crachás de Lula, então são cinquenta e cinquenta, sabe?”

Ambos os candidatos concluíram suas últimas reuniões de campanha.

O presidente Bolsonaro viajou de moto para Belo Horizonte, no sul do Brasil, e foi recebido por milhares de apoiadores, alguns deles em suas motocicletas.

Belo Horizonte é um marco que costuma prever o vencedor final.

Na Avenida Paulista, em São Paulo, Lula da Silva foi recebido por um grande número de torcedores enquanto se dirigia a uma procissão pela cidade.

Na multidão encontramos um grupo de professores universitários, vestidos de branco em oposição ao vermelho festivo habitual.

Vendo mercadoria Lula da Silva
Imagem:
Vendo mercadoria Lula da Silva

Eles explicaram que o comício foi dividido em uma série de cores, e o branco indicou que eles estavam se manifestando ali pela proteção dos princípios democráticos e da paz.

Marcos Oliveira, professor da Universidade do Rio de Janeiro, me disse acreditar que o comportamento de Donald Trump e seus apoiadores após sua derrota eleitoral foi cooptado pela equipe de Bolsonaro e representava uma ameaça à democracia brasileira.

“A ideologia por trás do governo de Bolsonaro é a mesma construída para Donald Trump”, disse.

“Assim, a estrutura por trás disso e as histórias são exatamente as mesmas. A diferença é que agora sabemos de antemão o que aconteceu com a eleição nos Estados Unidos, preparou o cenário para nós lutarmos, então temos que lembrar disso. “

Seu amigo, o professor Ariel Silva de São Paulo, estava ao lado dele e assentiu com a cabeça.

Marcos Oliveira (E) e seu amigo Professor Ariel Silva
Imagem:
Marcos Oliveira (E) e seu amigo Professor Ariel Silva

“A estratégia deles é muito parecida com a estratégia de Trump na última eleição, então temos mais ou menos uma ideia do que esperar, mas estamos aqui para lutar pela democracia”, acrescentou Silva.

No último dia, qualquer um deles poderia vencer, parece tão perto.

O problema para o Brasil é que as divisões são tão profundas que uma reconciliação entre os dois lados será incrivelmente difícil.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *