Sánchez agarra-se ao “sucesso” europeu para tentar ultrapassar o seu momento mais crítico

O Presidente do Governo espanhol Pedro Sánchez (d) e o Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa, durante a conferência de imprensa que ofereceram hoje, sexta-feira, após a reunião do Conselho Europeu em Bruxelas. / EFE / Horst Wagner.

Moncloa acredita que a greve dos porta-aviões foi “neutralizada” e confia que os grupos parlamentares agora vão endossar seu plano anticrise

Paula de las Heras

Eles não viram isso chegando. No Governo suspeitavam que, a longo prazo, as consequências económicas da guerra na Ucrânia e, fundamentalmente, o agravamento da inflação, poderiam gerar um clima de enorme descontentamento social, mas nunca pensaram que a deterioração pudesse ser sentida tão rapidamente . Em 2 de março, no mesmo dia em que anunciou que a Espanha finalmente enviaria armas aos combatentes ucranianos, apesar da oposição de seus parceiros de coalizão, Pedro Sánchez pediu apoio para montar um plano nacional contra a crise, convencido de que poderia deter o golpe. Não chegou a tempo.

O Executivo vive esta semana um dos momentos mais críticos do seu mandato e resta saber se o que a Moncloa celebra como um “enorme sucesso” – a autorização europeia para Espanha e Portugal desvincular temporariamente o preço do gás do da eletricidade a preços mais baixos – o suficiente para canalizar uma situação que os próprios sócios investidores consideram um ponto de virada; “Um momento de bifurcação da legislatura”, disse o líder do Mais País, Íñigo Errejón, na última quarta-feira.

O Governo não teve outra alternativa senão alterar o seu roteiro e avançar no sector das pescas e transportadoras com medidas semelhantes às que outros países europeus já tinham lançado, como um subsídio de 20 cêntimos por cada litro de gasóleo. Medidas que o presidente pretendia modular no último Conselho de Ministros deste mês, com base no que foi acordado em Bruxelas na última quinta e sexta-feira. A oposição, os principais aliados parlamentares e até o partido minoritário do governo admitiram nos últimos dias que não entendem os ritmos de Sánchez.

A oposição desdenha o acordo iniciado em Bruxelas e insiste na redução de impostos

Na quarta-feira, na sessão de controle do Congresso, a solidão dos socialistas foi vista mais do que nunca, exacerbada também pela rejeição geral da inesperada virada da posição sobre o Saara Ocidental. Agora, na Moncloa, eles estão esperançosos de que tudo será redirecionado e até minimizam o fato de que a plataforma que iniciou a paralisação dos transportes continua com o protesto. Sustentam que este grupo minoritário foi “neutralizado” com o acordo que a ministra dos Transportes, Raquel Sánchez, assinou quinta-feira com o Comité Nacional dos Transportes Rodoviários, que representa as associações maioritárias.

Solução da “raiz”

De qualquer forma, a grande medida à qual Sánchez confiou o grosso de sua resposta à crise energética, que ele defendeu como a única capaz de ir “à raiz do problema” e produzir uma redução significativa de preços, ainda levará tempo estar em andamento; segundo cálculos do próprio terceiro vice-presidente, entre três semanas e um mês. O Conselho Europeu deu liberdade à Espanha para fixar os preços de referência do gás, mas é a Comissão que, em última análise, tem de aprovar o projecto e a fórmula final para o levar a cabo.

Os sócios do Executivo desconfiam dos apelos a um “acordo de país” e temem uma direita dos socialistas

O que terá efeito imediato será o que o Governo aprovar na terça-feira e que, segundo o porta-voz do PSOE, Felipe Sicilia, incluirá um pacto de rendimento e iniciativas para as “famílias mais vulneráveis” e os sectores “mais afectados”. Sánchez pretende adiantar esta segunda-feira, em conferência no Auditório do Edifício Beatriz, em Madrid, os pontos-chave daquele prometido plano nacional que vai assumir a forma de um decreto-lei régio. E na quarta-feira, na sessão plenária do Congresso convocada para informar sobre o Conselho Europeu, mas também sobre a mudança no Sahara, receberá já uma primeira amostra das suas boas-vindas.

No Governo defendem que, depois da “mensagem de unidade” oferecida esta sexta-feira pela UE em Bruxelas, “não se entenderia” que as forças políticas espanholas estão divididas e exigem um apoio unânime que, a priori e no entanto, parece difícil alcançar, dadas as diferenças de critérios entre os partidos progressistas e os liberais e conservadores. Aliás, os sócios do costume já avisaram Sánchez que ele terá que escolher. Eles suspeitam que por trás de seu apelo a um “grande acordo de país” esteja escondida uma mudança de direita na legislatura.

Mesmo dentro do Governo existem diferenças substanciais. A United We Can quer recuperar medidas já aplicadas durante o primeiro estado de alarme, como o congelamento dos preços dos aluguéis ou a proibição de demissão objetiva. “Isso não pode ser comparado à pandemia, quando tivemos boa parte da economia paralisada. Temos que evitar colocar os cidadãos em um estado de espírito que não corresponda à situação que estamos vivendo”, respondeu a primeira vice-presidente, Nadia Calviño, na sexta-feira em La Sexta.

O ministro da Presidência, Félix Bolaños, tem sondado a opinião do grupo de forças parlamentares nos últimos dez dias, à excepção do Vox, que recusou a oferta, e este fim-de-semana está a intensificar os contactos telefónicos. Seu grande trunfo é que os decretos-leis régios são pacotes validados ou não como um todo e sua pretensão é que todas as forças vejam algumas de suas propostas incluídas. Mas chove no molhado. Muitas vezes os grupos desfiguram uma estratégia de negociação que vivem como chantagem de pegar ou largar. A última foi a reforma trabalhista, salva por pouco graças ao erro de um deputado do PP na votação.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.