Sahara: Marrocos deixará de aceitar posições ambíguas dos seus parceiros

DISCURSO DE 20 DE AGOSTO. Nas relações de Marrocos com os seus parceiros, sejam eles quem forem, haverá um antes e um depois de 20 de agosto de 2022.

A integridade territorial de Marrocos, o caráter marroquino do Sahara não devem ser negociados. Há já alguns anos que Marrocos tem vindo a adoptar cada vez mais fazendas sobre a questão nacional. Mas a afirmação desta posição de firmeza por parte do Rei dá mais peso a esta firmeza e traça uma linha vermelha.

A nova posição visa avançar, com firmeza e passo a passo, em direção à liquidação final desta disputa artificial em torno do marroquino do Sahara.

Esta posição, o Soberano explicou em termos que não poderiam ser mais claros durante seu discurso de 20 de agosto:

“A questão do Sahara é o prisma através do qual Marrocos considera o seu ambiente internacional. É também clara e simplesmente o parâmetro que mede a sinceridade das amizades e a eficácia das parcerias que estabelece”, avança o Soberano.

“Em relação a alguns países que estão entre nossos parceiros, tradicionais ou novos, cujas posições sobre a questão do Sara são ambíguas, nós os esperamos esclarecer e rever a substância do seu posicionamento, de forma inequívoca“, ele continua.

Os novos esclarecimentos do soberano ecoam seu discurso de 6 de novembro de 2021, onde afirmou mais uma vez que “Marrocos não tomará nenhuma medida econômica ou comercial que exclua o Saara marroquino”.

“Hoje, temos toda razão em esperar que nossos parceiros formulem posições muito mais ousadas e claras sobre o tema da integridade territorial do Reino”, declarou o Soberano.

Saia, portanto, das posições ambíguas, mornas, com geometria variável. Dupla conversa ou declarações “politicamente corretas” sem compromisso real, reafirmação por parte dos parceiros de apoio às resoluções da ONU não são mais aceitas por Marrocos.

84% dos 193 países membros das Nações Unidas não reconhecem o pseudo “rasd”

A partir de agora, a posição sobre o marroquino do Sahara será o “prisma” através do qual Marrocos avaliará o empenho de um parceiro, por mais poderoso, por mais antigo que seja.

O Soberano insiste, com razão, nas conquistas alcançadas nesta questão, citando vários países parceiros que demonstraram e expressaram aberta e inequivocamente seu apoio à iniciativa de autonomia como a base mais séria e a única maneira de resolver este caso.

Ele cita primeiro os Estados Unidos, cuja posição se manteve constante apesar da mudança de administração. “Esta recepção favorável é agora inevitável”, diz o Soberano.

Em seguida, cita a Espanha “este país vizinho que conhece perfeitamente a origem e a verdadeira natureza deste conflito” cuja nova posição clara e responsável é adquirida.

Além da Espanha, Alemanha, Holanda, Portugal, Sérvia, Hungria, Chipre, Romênia, são todos os países europeus que apoiam o plano de autonomia. A estes somam-se os países africanos e árabes.

Sem esquecer os países da América Latina, antigo bastião da tese do polisario, que se alinham um após o outro na posição marroquina. O último é o Peru, que retirou o reconhecimento do pseudo “rasd” e manifestou seu apoio ao plano de autonomia.

Em suma, e como salientou recentemente o Ministério dos Negócios Estrangeiros marroquino, dos 193 países membros das Nações Unidas, 84% não reconhecem o apelido “rasd”: dois terços dos países africanos, 68% dos países latino-americanos e caribenhos, 96% dos países asiáticos e 100% dos países europeus e norte-americanos”.

A França é chamada a clarificar a sua posição?

Em todos os itens acima, um país parceiro histórico de Marrocos destaca-se pela sua ausência. A França, com quem as relações são frias, não foi mencionada no último discurso do soberano.

Alguns acreditam que a França é um desses “parceiros tradicionais” chamados a “revisar a substância de seu posicionamento, de forma inequívoca”.

Após a série de anúncios abertos e claros de grandes países como os EUA e países europeus sobre a questão do Saara, a posição da França, no entanto, até agora o primeiro parceiro histórico do Reino, está agora em retrocesso.

Para tomar apenas este exemplo, quando a Espanha considera “a iniciativa de autonomia marroquina, apresentada em 2007, como base o mais serio, realista e credível para a resolução do litígio”; o porta-voz do Quai d’Orsay declarou em março de 2022 que a posição francesa é “consistente em favor de uma solução política justa, duradoura e mutuamente aceitável, de acordo com as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Nesta perspectiva, o plano de autonomia marroquino é uma base para discussões sérias e credíveis”.

E para acrescentar “A França está apegada às boas relações entre seus parceiros europeus e seus vizinhos na margem sul do Mediterrâneo. É através do diálogo que os desafios comuns podem ser superados”. Em suma, um tecido de generalidades.

Se é difícil prever em que direção soprarão os ventos das relações franco-marroquinas, é certo que Marrocos não se desviará da sua nova doutrina. A bola está no campo da França.

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *