Rússia acusada de querer “congelar” a população ucraniana e de “deslocamentos forçados”

Kyiv: Os Estados Unidos acusaram na sexta-feira a Rússia de querer “congelar” a população ucraniana neste inverno porque não pode prevalecer no campo de batalha, quando Vladimir Putin anunciou o deslocamento contínuo de habitantes da região sul de Kherson diante da pressão do exército de Kyiv.

A Ucrânia denunciou uma política de “deportação” para o leste de seu território sob controle russo, até mesmo para a própria Rússia, e chamou a comunidade internacional para testemunhar.

Este último multiplicou as iniciativas no mesmo dia para tentar forçar Moscou a interromper sua ofensiva, do chanceler alemão Olaf Scholz, que pediu ao presidente chinês Xi Jinping que use “sua influência” nesse sentido no Kremlin, na reunião do G7 em Münster (Alemanha) que reiterou o seu apoio infalível a Kyiv.

Aquecimento garantido, dizem autoridades

Os ministros das Relações Exteriores dos sete países industrializados concordaram notavelmente em estabelecer “um mecanismo de coordenação” para ajudar a Ucrânia a “reparar e defender” suas instalações de abastecimento de eletricidade e água que foram maciçamente atacadas nas últimas semanas. pelos russos.

Será também uma questão de entregar bombas de água, aquecedores, contentores de habitação, casas de banho, camas, cobertores ou tendas.

Porque a Rússia está tentando compensar suas derrotas militares na Ucrânia, visando infra-estrutura vital para subjugar este país “congelando” seus habitantes durante os meses mais frios, estimou por ocasião do G7 o secretário de Estado americano Antony Blinken .

O primeiro-ministro ucraniano, Denys Chmygal, no entanto, queria tranquilizá-lo: “Estamos nos preparando para todos os cenários. Estamos armazenando equipamentos de produção de energia em caso de emergência”, explicou ele na sexta-feira.

“Hoje, quase metade dos prédios em toda a Ucrânia tem aquecimento. São escolas, jardins de infância, hospitais, prédios de apartamentos (…) Em Kyiv, 78% dos prédios estão sendo aquecidos”, disse Chmygal.

“Há reservas suficientes nos depósitos subterrâneos de gás. 14,5 bilhões de m3 de gás foram acumulados. Tendo em conta as entregas externas esperadas, esses volumes serão suficientes para passar a temporada” quando o aquecimento for necessário, sempre d ‘após o chefe de governo.

“Já recebemos 700 geradores de doadores (estrangeiros). Outros 900 serão entregues em breve por eles”, disse Chmygal.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) intensificará suas ações na Ucrânia com o objetivo de permitir que os agricultores continuem a produzir apesar do conflito.

Lutando no Oriente

Ao mesmo tempo, os combates continuaram, “os mais violentos” tendo “concentrado esta semana no Donbass (leste), em Bakhmout e Soledar”, sublinhou à noite o presidente Volodymyr Zelensky.

Mas “mantemos as nossas posições”, assegurou, insistindo nas perdas significativas, segundo ele, nas fileiras russas.

“Durante o dia, os ocupantes russos dispararam três mísseis e realizaram cinco ataques aéreos e dois lançadores de foguetes múltiplos”, nas regiões de Lviv (oeste), Kharkiv (nordeste), Dnipropetrovsk (centro) e Zaporizhia (sul), entretanto informou o pessoal das forças ucranianas.

Diante dessa situação, o Ocidente continua a conceder ajuda militar total à Ucrânia: os Estados Unidos financiarão a modernização de tanques T-72 e mísseis terra-ar HAWK como parte de cerca de US$ 400 milhões.

“Reconhecemos a necessidade aguda de defesa antiaérea neste momento crítico em que a Rússia e as forças russas estão lançando mísseis e drones iranianos sobre a infraestrutura civil ucraniana”, disse Jake Sullivan, conselheiro do Kyiv sobre este assunto na sexta-feira. segurança nacional do presidente dos EUA, Joe Biden.

“Mais de 5.000” deslocados por dia

O presidente russo, na Praça Vermelha para o Dia da Unidade Nacional, por sua vez, não se desviou de sua retórica habitual.

“Ao fornecer continuamente armas à Ucrânia, enviando mercenários para lá”, o Ocidente “favorece seus objetivos geopolíticos, que nada têm a ver com os interesses do povo ucraniano”; e isso visa “também enfraquecer, desintegrar, destruir a Rússia”, insistiu Putin.

Em relação à evacuação em curso de populações do sul da Ucrânia, ele disse que “aqueles que vivem atualmente em Kherson” devem estar “longe das zonas de combate mais perigosas”.

“A administração de ocupação russa iniciou deslocamentos em massa forçados de habitantes” desta região, reagiu o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, afirmando que “deslocamentos semelhantes também são operados em outras províncias.

Na semana passada, os russos anunciaram que 70.000 habitantes de Kherson e sua região foram transferidos para a margem esquerda do Dnieper, onde Moscou tem melhor controle da situação.

Mas o Ministério da Defesa russo anunciou na sexta-feira que esses movimentos populacionais continuavam a uma taxa de “mais de 5.000” pessoas por dia.

“Flan”

No entanto, em Arkhangelské, vilarejo da região recentemente tomada por tropas ucranianas e ainda com vestígios de intensos combates – uniformes russos ensanguentados nas ruas, destruição e cheiro de cadáveres emanando de alguns prédios -, uma moradora disse ter acolheu os soldados ucranianos como heróis.

“Os soldados me abraçaram com tanta força que eu senti como se fossem meus filhos”, disse Tamara Propokiv, 59, com lágrimas nos olhos.

Para conter a dinâmica militar ucraniana, Vladimir Putin se gabou na Praça Vermelha de ter superado os objetivos de mobilizar reservistas.

“Já temos 318 mil” mobilizados e “os voluntários continuam a chegar. O número de voluntários não está diminuindo”, saudou o chefe de Estado russo.

Parentes de soldados russos, porém, contaram o “caos” dessa mobilização decretada em 21 de setembro.

“Tudo o que é mostrado na TV é flan. Parece que a decisão de mobilizar foi tomada de repente e ninguém estava pronto”, disse Tatiana, uma mulher cujo sobrinho foi recrutado no início de outubro em Krasnogorsk.

Milhares de homens russos também fugiram de seu país por medo de serem mobilizados, enquanto, com forte presença na Ucrânia, o grupo paramilitar Wagner abriu sua primeira sede oficial na sexta-feira em São Petersburgo, no noroeste da Rússia. .

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *