Rui Rio, candidato às eleições portuguesas ao PSD

Depois de servir como número 2 do partido durante dois anos, Rui Rio assumiu a presidência do PSD no início de 2018, liderando a oposição ao governo socialista de António Costa.

“O governo terá forte oposição na nova direção do Partido Social Democrata, mas nunca demagógico ou populista.”

Conhecido entre seus eleitores, principalmente por servir na Câmara Municipal do Porto por três mandatos ao longo de 11 anos, o Rio se tornou popular nacionalmente pela primeira vez em 2019, quando enfrentou Costa nas eleições parlamentares. Terminou em segundo lugar, perdendo as cadeiras do Partido Social Democrata no parlamento.

Agora é o segundo poder político português e a sua distância do Partido Socialista (PS) diminuiu.

Poucos meses depois, deixaria de ser líder da oposição ao pedir o fim dos debates quinzenais com o governo na Assembleia Nacional da República.

Muitos previram a derrota do Rio

A sua atuação à frente do partido seria reexaminada nas eleições autárquicas de 2021 em Portugal.

Os principais candidatos do partido renunciaram.

A inesperada vitória do ex-comissário europeu Carlos Moedas pôs fim a 14 anos de regime socialista em Lisboa e, assim, mitigou o anunciado desastre eleitoral do PSD.

O resultado na capital portuguesa não impediu Paulo Rangel de desafiar a liderança do país, com eleições parlamentares à porta.

O Rio venceu as primárias, fortaleceu sua liderança no partido e lançou a campanha eleitoral nacional.

O conservador PSD é hoje o principal partido da oposição nas eleições parlamentares.

Rui Rio quer ficar no centro

“Somos um partido reformista, então não vamos fazer uma revolução e não vamos destruir o que os outros fizeram.”

Como “provavelmente não será maioria absoluta”, Riu pede às partes que “demonstrem maturidade e estejam disponíveis para um diálogo sério” e insiste que o vencedor deve estar disponível para governar e o perdedor para o diálogo.

No entanto, a possibilidade de um governo de coalizão com a extrema direita quebrou promessas de que não haverá espaço para rachaduras. Um cenário que aproxima o vínculo entre seus discursos e a necessidade de apagar a esquerda do parlamento, mas que o Rio rejeita, que quer ficar no meio.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.