Quem é Yaël Braun-Pivet, primeira mulher presidente da Assembleia Nacional?

Yaël Braun-Pivet foi eleito Presidente da Assembleia Nacional pelos deputados na terça-feira, 28 de junho. Quem é essa mulher de 51 anos que se tornará a 4ª figura da República?

Ela permaneceu Secretária de Estado por apenas um mês e 5 dias. Poucas semanas depois de sua nomeação para o governo de Elisabeth Borne, Yaël Braun-Pivet deixou a rue Oudinot para assumir o prestigioso cargo de Presidente da Assembleia Nacional. Uma eleição histórica, pois até agora, nem uma única mulher teve acesso ao “poleiro”. Quem é o sucessor de Richard Ferrand?

Yaël Braun-Pivet começou sua carreira como advogada, um trabalho que ela queria fazer desde cedo. Exerceu a advocacia criminal na Ordem dos Advogados de Paris antes de ingressar na de Hauts-de-Seine. Depois de 7 anos na empresa, deixa a carreira de lado para acompanhar o marido, executivo da L’Oréal, por vários anos em Taiwan, Japão e Portugal, criando seus 5 filhos, pois é muito fácil conciliar trabalho e vida familiar . torna-se restritivo. No Japão, envolveu-se na política tornando-se tesoureira do Partido Socialista em Tóquio.

Restos du Cœur na Assembleia Nacional

De volta a França, decidiu criar uma start-up de alojamento e pequeno-almoço que combina alojamento com transferência de know-how, mas a experiência terminou em fracasso, o novo Presidente da Assembleia reconheceu que o empreendedorismo não é adequado. Em seguida, dirigiu a unidade departamental de acesso aos direitos e à justiça, onde organizou consultas jurídicas gratuitas e, em seguida, envolveu-se em associações, juntando-se aos Restos du Coeur, onde prestava consultas jurídicas a quem necessitava de aconselhamento.

Dizendo que “sempre votou no PS”, ela se junta ao En Marche! em 2016, uma festa em que ela “encontrou tudo” [ses] ideias profundas em termos de superação de divisões políticas e pragmatismo”, disse ela ao Legal Information Weekly. Pôsteres de Paris† Em 2017, ela foi uma das várias macronistas recém-eleitas que investiram maciçamente na Assembleia depois de vencer as eleições parlamentares no 5º distrito eleitoral de Yvelines com 58,99% dos votos contra o candidato LR Jacques Myard, deputado no distrito eleitoral por 24 anos. † Menos de 10 dias atrás, ela ganhou o mesmo eleitorado novamente, dominando a candidata do Nupes, Sophie Thévenet.

Um primeiro post alto e muitas críticas

Após sua primeira vitória nas eleições parlamentares em 2017, Yaël Braun-Pivet foi eleita presidente da Comissão de Direito, uma das 8 comissões permanentes da Assembleia Nacional. Ela é apenas a segunda mulher a ocupar esse cargo durante a V República, 20 anos depois de Catarina Tasca, mas é especialmente a primeira noviça a ocupar esse cargo, geralmente reservado a figuras políticas altamente experientes.

Sua eleição foi posteriormente criticada, até mesmo com inveja, por parte da oposição e por alguns representantes eleitos da maioria, que suspeitavam que ela estivesse nesse cargo por causa de sua suposta carreira de advogada, emprego que nunca mais teve. exercido por 15 anos, bem como por paridade. Ao que ela responde: “Já passei por essas provas de incompetência durante a campanha. Mas me sinto legítima em meu lugar”. Uma série de críticas que seguem alguns erros no início de sua presidência, como quando ela tira uma quarta-feira para cuidar de seus filhos, segundo revelações do Le Canard enchaîné, ou quando pergunta quando os decretos serão votados, enquanto ” elas não são votadas, mas tomadas pelo governo.

Um mandato de cinco anos terminou melhor do que começou

Em 23 de julho de 2018, a moradora de Nancy presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o caso Benalla e foi criticada pela oposição, que decidiu que o deputado macronista é imparcial e protege o Eliseu. No final, o Le Monde admite que acabou “conquistando o respeito da oposição ao buscar o consenso durante o trabalho de seu comitê”. Durante este caso, ela recebeu muitas mensagens abusivas e ameaçadoras nas redes sociais e acabou entrando com uma denúncia por insultos sexistas e antissemitas.

Profundamente envolvida em temas como prisões, eutanásia ou mesmo reforma institucional, Yaël Braun-Pivet “finalmente convencida de suas proezas, inclusive na oposição”, conforme indicado Liberar, explicando que a sua simpatia e benevolência são agora acolhidas nas bancadas da Assembleia Nacional. Ainda desconhecida no cenário político há 5 anos, essa mulher de família humilde é hoje a 4ª personagem do estado e terá que se firmar como a padroeira do hemisfério.

VÍDEO – Jean-Louis Debré, Presidente da Assembleia Nacional de 2002 a 2007: “Há muito que queria uma mulher para presidir à Assembleia Nacional”

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.