Qualificação Qatar 2022: Bruno Fernandes substitui Portugal | Esportes

Portugal apurou-se para o Mundial do Qatar depois de passar por vários obstáculos. A decepção com a Sérvia na fase ordinária, a confusão com a Turquia na semifinal dos playoffs e o congestionamento contra a Macedônia do Norte na partida decisiva, nesta terça-feira, no Porto. Como muitas vezes acontece quando tudo é tão estressante, foi um erro do oponente que desencadeou o contra-ataque libertador. Sim, o retrocesso. O golpe oportunista foi a única maneira que esse poder do futebol mundial encontrou contra os meninos macedônios trabalhadores que acabavam de desgraçar a Itália em Palermo. Bruno Fernandes, com dois gols, assumiu o palco em detrimento de Cristiano, que se inscreveu para sua quinta Copa do Mundo na nova condição de companheiro. Desta vez, ele tem companheiros de equipe que são melhores que ele.

dois

Diogo Costa, Nuno Mendes, Cancelo, Pepe, Danilo Pereira, Bruno Fernandes (Matheus, min. 87), Moutinho (Vitor Ferreira, min. 90), Bernardo Silva (João Félix, min. 86), Diogo Jota (Rafael Leão, min. 76), Otavinho (William Carvalho, min. 76) e Cristiano

0

Macedônia do Norte

Dimitrievski, Ristovski, Musliu, Velkovski, Alioski, Tihomir Kostadinov (Askovski, min. 74), Ademi, A. Trajkovski (Churlinov, min. 58), Elmas (Boban Nikolov, min. 86), Enis Bardhi e Milan Ristovski (Bojan Miovski, minuto 45)

metas 1-0 min. 31: Bruno Fernandes. 2-0 minutos. 64: Bruno Fernandes.

Cartões amarelos Cancelo (min. 67), Musliu (min. 67) e Alioski (min. 73)

A pressão sufocou Portugal, forçado perante os seus adeptos, pela história e pela hierarquia, a ultrapassar o seu modesto rival. Os jogadores apresentavam sinais de afogamento. Seguiram-se decisões precipitadas. A bola rolou lentamente, como uma bola de queijo fresco na grama pesada, e os macedônios mal tiveram que corrigir posições para transformar as aproximações de seu objetivo em caminhos inacessíveis. Perdido na confusão, até o judicioso Bruno Fernandes mandava as bolas da frente para os seus avançados, quando era evidente que os defesas centrais macedónios estavam a ganhar todas.

Velkovski e Musliu não se deixaram antecipar e os centros choveram sobre um teto impenetrável. O forte na área visitante era território proibido para Cristiano e Jota em um cenário inesperado. Longe de se isolar, a Macedônia tirou seus jogadores de seu habitat natural. Distribuídos, eles se estenderam para o campo oposto em um ataque de bravura balcânica que se assemelhava a imprudência. Deixaram espaços mas nem assim os portugueses conseguiram elaborar em profundidade. Nem mesmo o confortável Cristiano e seus companheiros prosperaram contra isso, e no estádio O Dragão só se ouvia as vozes estridentes dos 2.000 macedônios.

Portugal mal havia produzido um cruzamento de Cristiano – que saiu ao lado do gol após um contra-passe de Otavinho – quando o céu se abriu no Porto. A bênção veio na forma de dano auto-infligido. O culpado foi o capitão macedônio, Stefan Ristovski, que estava descendo pelo lado direito e não conseguiu pensar em nada melhor do que enviar um passe para o meio, para a parte mais sensível de sua defesa, quando seus companheiros de equipe não estavam esperando a bola, mas foram implantando no ataque. A bola caiu aos pés de Bruno Fernandes, que passava. O engate do United combinado com Cristiano e seu companheiro de equipe devolveu a barreira com um cano para Musliu na entrada da área. Apenas contra Dimitrevski, Bruno abriu o tornozelo e ajustou o chute cruzado. Depois de meia hora de angústia, o 1-0 trouxe Portugal à superfície do poço.

atacante e herói

A vantagem permitiu a Portugal baixar o ritmo e encontrar o seu lugar em campo frente a um adversário que parecia demasiado limitado para tomar a iniciativa. Mesmo assim, ele não controlava o jogo, com tanta agitação e tão pouca empatia gerada por esses jogadores que deveriam se entender de cor continuamente. Nos momentos de dúvida, só Bernardo Silva soube lidar com os tempos com bom senso. Não foi suficiente para amarrar a Macedônia, que continuou à espreita na área portuguesa até que uma derrota fortuita, causada por uma intervenção de Pepe, permitiu a Bruno Fernandes. O magrinho abriu longamente para Otavinho e serviu o contra-ataque mais bonito —para variar— da noite. Otavinho desceu a galope pela esquerda e centrou no meio do campo para acertar com Bruno Fernandes, que se tornou um herói do Porto — sua terra natal — com outra definição de categoria.

Você pode acompanhar o EL PAÍS DEPORTES em Facebook S Twitterou cadastre-se aqui para receber nosso boletim semanal.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.