Quais países da UE são mais dependentes dos hidrocarbonetos russos?

No impasse que se desenrola na frente diplomática entre a Rússia e os países ocidentais, Moscou tem um importante ativo que serve como alavanca: a terra de Vladimir Putin é de fato a segundo maior produtor de petróleo e gás do mundo(PDF em inglês)e a fornecedor líder de hidrocarbonetos para a União EuropeiaEm resposta à invasão da Ucrânia, a UE já impôs sanções significativas, como a congelamento de bens de 877 pessoas associadas ao regime russo* ou excluindo vários bancos da rede Swift. Mas alguns países, como os Estados Unidos, vão mais longe ao impor um embargo aos hidrocarbonetos.

Há vozes, como a do ex-presidente François Hollande, pedindo que a Europa faça o mesmo. Mas isso é possível para os 27 Estados-Membros? Quem é mais dependente do gás e do petróleo russos? Responder em infográficos.

Quase metade do gás importado para a UE vem da Rússia

Ao nível da União Europeia é: 44% gás importado da Rússia Isso a torna de longe o maior fornecedor da UE, muito à frente da Noruega e da Argélia. Mas por trás desse número geral muito alto estão diferenças significativas entre os países.

Na Europa Ocidental, o gás russo representa menos de 12% importação para Portugal, Espanha, Irlanda ou Bélgica. Essa participação é um pouco maior em França, mas é limitado a 17% (A Noruega é o primeiro fornecedor gás para a França). Em contraste, a maioria dos países a leste do Reno importam mais de metade de seu gás da Rússia. Moscou assim fornece 55% gás para a Polônia, 66% para a Alemanha e quase 100% para a Finlândia ou Hungria.

“Esta diferença deve-se principalmente à proximidade geográfica com a Rússia e aos gasodutos que permitem abastecer estes países da Europa de Leste” Explique Abelha informações da frança Phuc-Vinha Nguyenespecialista em política energética europeia no Institut Jacques delores. E difícil para esses países mudarem repentinamente sua oferta. †O transporte de gás requer infraestrutura e, portanto, é difícil mudar rapidamente de fornecedor, ele adicionaSe houver reservas e que é possível, mesmo para a Alemanha, para roubar-se de gás russo, “isso necessariamente exige esforços para consumir menos, e sobretudo será necessário permitir o transporte de gás de novos países e desenvolver outras fontes de energia para fazer face aos próximos invernos”.

Rússia fornece um quarto do petróleo da União Europeia

A Rússia também é o maior fornecedor de petróleo e produtos petrolíferos para: União Europeia, que é um pouco mais do que 25% importações europeias O restante será enviado de Estados Unidos, Cazaquistão ou Nigéria. Tal como acontece com o gás, há uma diferença notável entre a Europa Oriental e Ocidental: Transporte Eslováquia, Bulgária e Polônia, respectivamente 78% 76% e 68% de seu petróleo da Rússia. Na Alemanha é 30% petróleo de Moscou. Este número vai para: 13% em França e Itália e menos de 6% em Espanha e Portugal.

A oferta de petróleo da União Europeia, que é mais diversificada do que a de gás, pode ser alterada mais rapidamente, conforme explicado Phuc-Vinha Nguyenmas, novamente, isso não seria sem consequências: “O petróleo é fácil de transportar por barco e quase todos os países com litoral têm os equipamentos para receber esses navios-tanque. Mas se prive do petróleo russo ainda afetaria os preços da gasolina, que provavelmente atingirão recordes.”

O regime russo é muito dependente de suas exportações para a Europa

Assim, se a Europa é muito dependente dos hidrocarbonetos fornecidos pela Rússia, o oposto também se aplica ao dinheiro que essas vendas trazem para Moscou. em 2021, o os hidrocarbonetos sozinhos foram responsáveis ​​por mais de um terço da receita do estado federal russo.

E é a Europa que compra a maior parte de seu gás da Rússia. “Segundo dados da Gazprom e da British Petroleum, quase 75% das exportações de gás da Rússia iriam para a Europa. A União Europeia envia cerca de 750 milhões de euros por dia à Rússia para abastecimento hidrocarbonetos, Phuc-Vinh preciso Nguyen. A Rússia não tem recursos para revender todo esse gás para outros países. Portanto, um embargo seria difícil para a Europa, mas ainda mais para a Rússia.”ele conclui.

* Todos esses links apontam para artigos e conteúdos em inglês.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *