Portugal, um novo El Dorado para os californianos

Portugal aparece regularmente no topo dos rankings dos países onde é bom viver, pelo clima, pelo custo acessível da alimentação em particular, pelo bom sistema de saúde e pelas facilidades de instalação concedidas aos expatriados. a Los Angeles Times corretamente aponta que, “Entre os ocidentais que se instalam em Portugal, os americanos são agora os que mais crescem em número”. O diário foi assim ao encontro de expatriados californianos que se instalaram em Portugal. A maioria deles elogia a qualidade de vida local. “Portugal parecia preencher todos os requisitos – seguro, com uma população diversificada, um clima amigável LGBTQIA+ com clima temperado, um excelente sistema de saúde e habitação a preços acessíveis”, resume Jen Wittman, uma americana de 47 anos que vive com a família em Lisboa.

Portugal também tem feito tudo para atrair estes estrangeiros, em particular empresários, nômades digitais e aposentados para enfrentar a crise econômica. Michèle Abraham, uma jovem de 30 anos que fundou a sua start-up e trocou Santa Mónica pelo Porto, confirma:

Há muito apoio ao empreendedorismo aqui. A Califórnia tem um ecossistema tão incrível para start-ups que eu não tinha certeza se Portugal poderia competir. Mas isso é. Como mulher e pessoa de cor, eu realmente senti que meu gênero e raça eram menos problemáticos como fundadora de uma startup em Portugal do que na Califórnia. A comunidade aqui é tão inclusiva e gentil! É incrível para mim ter a oportunidade de viver e trabalhar aqui.”

Para Petter Barth, um aposentado de 66 anos que agora vive no Carvoeiro, o fato de o país liderar consistentemente o ranking dos melhores lugares para se aposentar foi fundamental. Ele agora vive em um vinhedo e se beneficia de um sistema de saúde muito mais acessível do que nos Estados Unidos.

Para além do acolhimento reservado por Portugal em termos de vistos ou facilidades de investimento, alguns fatores próprios dos Estados Unidos têm levado muitas pessoas a emigrar. Shawnta Wiley, 49, era dona de uma empresa de eventos em San Diego. O facto de o Congresso norte-americano não ter alargado a ajuda às empresas que tiveram de recorrer ao desemprego no verão de 2020, em plena pandemia, foi decisivo. Para Nancy Whiteman, aposentada de 68 anos, foi o clima político americano com a eleição de Donald Trump em 2016 que foi um fator desencadeante.

Mas este entusiasmo tem por vezes consequências difíceis para a população local, em particular porque os expatriados têm rendimentos muito mais elevados do que os portugueses e aumentam os preços dos imóveis. “As maiores cidades de Portugal estão enfrentando alguns dos mesmos problemas que a Califórnia, com aluguéis em alta e uma crise habitacional” Anote Los Angeles Times. Thérèse Mascardo, que trocou Santa Mónica pelo Porto, confidencia com razão: “Eu economizo tanto dinheiro morando aqui, é criminoso. Eu pago menos da metade do meu aluguel em LA aqui e tenho mais espaço.”

Ao mesmo tempo, esta psicóloga de 39 anos está bem ciente do impacto de estrangeiros como ela na economia local e, em particular, nos preços da habitação: “Isso absolutamente tem a ver com o influxo de estrangeiros que trazem grandes carteiras e têm mais poder de compra do que a maioria dos habitantes locais.” Luis Mendès, geógrafo da Universidade de Lisboa, observa que muita coisa mudou na capital portuguesa em dez anos:

“Falamos de gentrificação, especulação imobiliária e segregação residencial. Pessoas foram despejadas de suas casas, mesmo morando lá as vezes por quinze anos, por meio século, ou até mais, e forçado a se estabelecer na periferia da cidade.

Temos dois programas principais que atraem investimentos estrangeiros. Temos o ‘visto dourado’ e residência não permanente. Eles são uma das causas da especulação imobiliária, com os preços dos aluguéis e os valores das casas disparando na última década.

É muito difícil para o português médio de classe média comprar ou arrendar uma casa em Lisboa.”

Enquanto alguns portugueses, como Isabelle de Bandeira, não têm nada contra os expatriados, outros, como Raphaël Alves, psicólogo de 30 anos da Ericeira, deploram este afluxo maciço de pessoas que, segundo ele, não procurariam aprender a cultura local, participar da vida política e se envolver socialmente.

Você foi morar em Portugal? Quais foram seus motivos? Você está satisfeito com esta escolha? Conte-nos escrevendo para expat@courrierinternational.com e publicaremos seu testemunho.

Isabela Carreira

"Organizador sutilmente encantador. Ninja de TV freelancer. Leitor incurável. Empreendedor. Entusiasta de comida. Encrenqueiro incondicional."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.