Portugal sufoca, multiplicam-se os incêndios florestais

Portugal está mais uma vez nas garras de impressionantes incêndios florestais. Até 2.800 bombeiros mobilizaram-se no domingo para tentar pôr fim a uma série de incêndios que assolaram o país, também vítima de temperaturas escaldantes. O governo então reforçou a mobilização de socorro decretando um “estado de contingência”.

O maior surto assolava desde quinta-feira na região de Ourém (centro) e só mobilizou cerca de 700 bombeiros. “O fogo chegou a 50 metros da última casa da aldeia (…). Tudo queimou lá”, disse Donzilia Marques à AFP.

O incêndio, que teria devastado pelo menos 1.500 hectares de vegetação segundo uma primeira estimativa, destruiu pelo menos duas casas, segundo os serviços de emergência, que relataram outras evacuações temporárias de aldeias ameaçadas pelas chamas.

Quarenta feridos

Mais um incêndio que mobiliza 450 bombeiros deflagra desde sexta-feira a poucos quilómetros de distância, depois de se ter declarado no concelho de Pombal, também localizado na confluência dos distritos de Leiria e Santarém.

Os incêndios dos últimos dias causaram cerca de quarenta feridos ligeiros entre os bombeiros e a população, mas a maioria das vítimas foi tratada no local por sintomas de embriaguez ou esgotamento, de acordo com um relatório fornecido domingo à noite pelo comandante nacional. Proteção Civil, André Fernandes.

Um próximo pico de temperatura

Pelo terceiro dia consecutivo, as forças de manutenção da paz tiveram de lidar com mais de uma centena de incêndios em todo o país, enquanto “o pico do clima extremo” ainda está por vir, sublinhou André Fernandes.

Os termómetros já atingiram os 44 graus Celsius em alguns locais, e o instituto meteorológico português prevê que as temperaturas continuem a subir até meados da próxima semana.

“Estado de contingência” ativado

Após este fim-de-semana de “alto risco”, segundo o primeiro-ministro António Costa, o governo português decidiu assim decretar um “estado de contingência” entre segunda e sexta-feira, para elevar em um grau o nível de mobilização dos serviços. alívio e quaisquer restrições que possam impor.

Lisboa também pediu à União Europeia que ative o seu mecanismo comum de proteção civil, obtendo o envio de dois aviões bombardeiros de água estacionados em Espanha.

Os incêndios que se multiplicam em todo o mundo estão associados a vários fenômenos previstos pelos cientistas devido ao aquecimento global. O aumento da temperatura, a multiplicação das ondas de calor e a queda da precipitação em locais é uma combinação ideal para o desenvolvimento de incêndios.

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *