Portugal quer que a voz de Amália Rodrigues seja “Memória do Mundo” | cultura e entretenimento

O Governo de Portugal quer imortalizar a voz da mais internacional fadista portuguesa, Amália Rodrigues (Lisboa, 1920-1999), pela qual vai apresentar uma candidatura à UNESCO para que a sua voz e a sua música sejam declaradas “Memória do Mundo” .

De acordo com um comunicado do Ministério da Cultura português, que coincide hoje, 6 de outubro, com o vigésimo segundo aniversário da morte do cantor, o objetivo é que as gravações que restam do fadista, algumas inéditas, sejam elevadas à categoria de Memória do Mundo, como já reconhecido na coleção de discos de Carlos Gardel.

A candidatura será promovida conjuntamente entre o Arquivo Nacional do Som de Portugal e a empresa Ediciones Valentim Carvalho, proprietária da colecção de fitas magnéticas gravadas ao cantor entre 1951 e 1990, com algumas peças inéditas de ensaios ou gravações informais .

Amália Rodrigues, “a senhora do fado”, foi a responsável pela internacionalização deste género musical e pela sua exibição em várias línguas.

O Ministério da Cultura lembra que a fadista apresentou o seu repertório em português, espanhol, italiano, francês ou inglês.

E, além disso, mostrou sua versatilidade para interpretar outros gêneros como flamenco, rancheras mexicanas ou música italiana.

Amália Rodrigues nasceu a 23 de julho de 1920 numa família lisboeta muito humilde nas margens do Tejo e desde criança já cantava no cais de Lisboa a vender limões para ganhar algum dinheiro.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.