Portugal: Os socialistas perdem Lisboa e Coimbra apesar de vencerem as eleições autárquicas portuguesas | Internacional

Carlos Moedas comemora esta manhã os resultados que lhe deram a vitória como autarca de Lisboa.RODRIGO ANTUNES (EFE)

Os socialistas venceram as eleições municipais em Portugal, com quase 33% dos votos (menos cinco pontos do que em 2017), mas a perda de Lisboa e de algumas outras cidades relevantes, como Coimbra ou Funchal, azedou a vitória. O ex-comissário europeu Carlos Moedas, político do Partido Social Democrata (PSD, centro-direita), que liderou a coalizão eleitoral de Novos Tempos, derrotou o atual prefeito socialista Fernando Medina, superando-o por 2.300 votos. Nenhuma sondagem durante a campanha previu a reviravolta na capital portuguesa. O próprio Moedas vive seu triunfo como algo excepcional: “Ganhamos contra tudo e contra todos”, proclamou depois das 2h30 desta manhã, quando sua vitória foi confirmada. “Os lisboetas disseram em alto e bom som que querem uma mudança. Hoje começa um novo ciclo, Novos Tempos. E estou convicto de que começa em Lisboa, mas não terminará em Lisboa”, afirmou aludindo às eleições legislativas de 2023.

O substituto de Medina na Câmara Municipal de Lisboa, que estava nas mãos dos socialistas desde 2007, foi Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação entre 2014 e 2019 e participou na administração do último primeiro-ministro português de direita, Pedro Passos Coelho. Engenheiro civil e economista, trabalhou no Goldman Sachs e no Deutsche Bank em Londres e na Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa. Ele é filho de um histórico militante comunista de Beja, onde Moedas nasceu há 51 anos. Apresentou-se à frente de uma coligação composta por cinco partidos e, entre as suas principais promessas, estavam a limitação da entrada de automóveis em Lisboa e a criação de uma assembleia permanente de cidadãos, órgão consultivo sobre assuntos transcendentais para a cidade . As decisões que adoptar em matéria urbana e turística, um dos principais problemas de Lisboa, serão de especial relevância. Seu antecessor Fernando Medina havia anunciado o congelamento de licenças para transformar residências em apartamentos turísticos, dada a saturação atingida em alguns bairros históricos antes da pandemia e que contribuiu para disparar os preços dos imóveis.

Mais Informações

A virada política em Lisboa também ocorreu em outras cidades como Coimbra e Funchal, capital da Madeira, onde o PSD tomou o governo local aos socialistas. O dia deu um grande descanso ao líder de centro-direita, Rui Rio, que foi muito questionado nos últimos meses e que viu em perigo a sua continuidade como presidente do PSD. Os socialistas se consolaram com o fato de repetir a vitória. Vão governar em 147 câmaras municipais contra as 114 que estarão nas mãos do seu principal adversário, o PSD e as suas diferentes coligações.

António Costa, primeiro-ministro e secretário-geral do Partido Socialista, procurou centrar-se na vitória global dos seus candidatos e no facto de, pela terceira vez consecutiva, terem vencido as eleições autárquicas. Mas a erosão socialista é clara: ele perdeu poder nas cidades mais populosas. Além das derrotas em Lisboa, Coimbra e Funchal, não conseguiram tirar o Porto e Braga dos atuais autarcas, o independente Rui Moreira e o conservador Ricardo Rio. As principais alegrias vieram das mãos de duas mulheres: Inês de Medeiros e Carla Tavares, que alcançaram maiorias retumbantes em Almada e Amadora. As próximas nomeações eleitorais permitir-nos-ão verificar se o que aconteceu este domingo é o início de uma mudança no ciclo político em Portugal ou um descontentamento temporário em relação ao partido que governou o país durante os difíceis meses da pandemia.

O que ficou claro é a indiferença do cidadão em relação às urnas. A abstenção foi de 46,3%, o segundo maior recorde desde as eleições de 1976. A formação de extrema-direita Chega não conseguiu manter o notável apoio que recebeu nas eleições presidenciais de janeiro, quando se tornou a terceira força mais votada com quase 12 votos. % dos votos. O seu líder, André Ventura, não obteve votos suficientes para presidir à assembleia municipal de Moura a que optava, embora a formação tenha obtido quase vinte vereadores em todo o país. Também não foi um bom dia para o Partido Comunista de Portugal (PCP), que perdeu algumas das autarcas dos seus redutos históricos para socialistas como Évora ou Loures, nem para o Bloco de Esquerdas, que mal decola no nível municipal.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

Acompanhe todas as informações internacionais em o Facebook e Twittero en nosso boletim semanal.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.