Portugal, novo epicentro do confronto entre Estados Unidos e China

Washington vê com maus olhos os investimentos do Reino do Meio no país europeu e em particular o que diz respeito ao porto de Sines, considerado estratégico.

Em sua guerra comercial total contra a China, os Estados Unidos estão pressionando amigavelmente seus parceiros europeus para que também implementem sua estratégia, como o boicote à fabricante chinesa de equipamentos de telecomunicações Huawei.

O governo Trump também pretende atingir países que abrem seus braços um pouco demais ao investimento chinês. É o caso de Portugal.

É preciso dizer que o Império do Meio vem investindo pesadamente no país há vários anos. Após a eclosão da crise financeira global em 2008, Portugal, para beneficiar da ajuda internacional, teve de privatizar setores inteiros da sua economia, como a energia. Privatizações que atraíram investidores chineses.

10 bilhões de euros de investimentos

Em 2011, o grupo energético chinês China Three Gorges assumiu assim os 21% do Estado na EDP (empresa produtora de electricidade), o maior grupo português. Nos seguros, a Fosun controla desde 2014 a Fidelidade, a seguradora líder no país. Na banca, a mesma Fosun detém 27% do BCP, a maior instituição bancária do país. Ainda há muitos exemplos.

No total, o investimento chinês em Portugal foi estimado há um ano em cerca de 10 mil milhões de euros, ou cerca de 3% do PIB.

Essa forte presença chinesa não comoveu particularmente os Estados Unidos, mas quando Donald Trump chegou ao poder e o estabelecimento de sua guerra comercial contra a China, as coisas obviamente mudaram.

Quando a China Three Gorges tentou (sem finalmente conseguir) assumir o controlo total da EDP, os Estados Unidos começaram a manifestar a sua desaprovação através da voz do embaixador dos Estados Unidos em Lisboa, que denunciou uma dependência de Portugal face a Pequim.

Os Estados Unidos levantam a voz

Mas a tensão aumentou após o anúncio, no ano passado, do governo português da construção para 2024 de um novo terminal de contentores no porto de Sines, localizado a cerca de cem quilómetros a sul de Lisboa.

A ministra portuguesa dos Assuntos Marítimos, Ana Paula Vitorino, apelou então às empresas chinesas a investirem no sentido de obterem concessões para que este porto se torne uma peça central das notícias”estradas de seda” implementado por Pequim. O concurso foi finalmente lançado em outubro passado e os Estados Unidos estão agora claramente a levantar a sua voz.

Em entrevista publicada sábado no semanário Expressare retransmitida pela AFP, George Glass, embaixador americano em Portugal, apela a Lisboa para “fazer uma escolha” entre as duas potências mundiais.

Recorda que o porto de Sines é “incrivelmente estratégico” para os Estados Unidos porque é o porto europeu de mar profundo mais próximo do território americano.

“Espero muito que Sines não vá para os chineses (…) Isso não pode acontecer”, sublinhou George Glass, especificando que esta infraestrutura, que em 2016 recebeu as primeiras entregas de gás natural liquefeito americano para a União Europeia, torna Portugal “o centro do gás e um centro de segurança energética europeia”.

Portugal inflexível no momento

“Queremos que uma empresa ocidental opere e construa o terminal”, acrescentou o embaixador, explicando que os Estados Unidos não têm nenhuma empresa de gestão de portos estrangeiros.

George Glass acabou por reconhecer na entrevista que Portugal era uma das frentes do “campo de batalha europeu entre os Estados Unidos e a China”.

Soberano, o governo português reagiu de imediato às palavras do embaixador americano através da voz do seu ministro dos Negócios Estrangeiros. “Em Portugal, são as autoridades portuguesas que tomam as decisões, no interesse do país”, disse Augusto Santos Silva em comunicado à agência Lusa.

Importa ainda referir que Portugal mantém, desde 1557, uma relação bilateral e privilegiada com a China, nomeadamente através do controlo do território de Macau finalmente devolvido a Pequim em 1999.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.