Portugal – Macedónia do Norte: a última bala de Cristiano | Esportes

Esta quinta-feira marca um ano desde a derrota da Alemanha por 2 a 1 para a Macedônia do Norte em Duisburg. A partida precipitou o fim da era Joachim Löw no mansarda e elevou a Macedônia a um status que nunca teve em sua história. Com quase nenhum histórico, a equipe se tornou da noite para o dia uma seleção perturbadora. Dos oito jogos que se seguiram, ele perdeu apenas um – contra a Alemanha – e na última quinta-feira eliminou a Itália do play-off da Copa do Mundo. O drama no Adriático se transformou em um feriado nacional em Skopje. Incentivado pelo clima de euforia, o primeiro-ministro macedónio, Dimitar Kovacevski, embarcou no avião que levaria os futebolistas ao Porto para defrontar Portugal no jogo decisivo do play-off do Mundial, no Qatar. De pé no corredor da aeronave, Kovacevski discursou aos membros da expedição, prometendo-lhes 500.000 euros e passaportes diplomáticos como prêmio, se obtivessem a passagem.

dois

Diogo Costa, Nuno Mendes, Cancelo, Pepe, Danilo Pereira, Bruno Fernandes (Matheus, min. 87), Moutinho (Vitor Ferreira, min. 90), Bernardo Silva (João Félix, min. 86), Diogo Jota (Rafael Leão, min. 76), Otavinho (William Carvalho, min. 76) e Cristiano

0

Macedônia do Norte

Dimitrievski, Ristovski, Musliu, Velkovski, Alioski, Tihomir Kostadinov (Askovski, min. 74), Ademi, A. Trajkovski (Churlinov, min. 58), Elmas (Boban Nikolov, min. 86), Enis Bardhi e Milan Ristovski (Bojan Miovski, minuto 45)

metas 1-0 min. 31: Bruno Fernandes. 2-0 minutos. 64: Bruno Fernandes.

Cartões amarelos Cancelo (min. 67), Musliu (min. 67) e Alioski (min. 73)

“É um bom presságio”, arriscou Visar Musliu, zagueiro do Ingolstadt, da Segunda Bundesliga, ao saber que seu time ficaria no mesmo hotel que recebeu o Chelsea às vésperas da última final da Liga dos Campeões, disputada e vencida no estádio de O Dragão. Esta terça-feira (20h45, quatro) no mesmo palco, a Macedónia vai tornar-se o último obstáculo entre o Mundial e a melhor geração da história de Portugal.

Bernardo Silva, Bruno Fernandes, Rúben Dias e João Félix são os primeiros representantes do mais súbito surto de talento num país europeu na última década. Mas uma vez que eles adquiriram a experiência necessária para reivindicar um lugar proeminente na hierarquia do esquadrão, surgiram atritos. Cristiano Ronaldo está relutante em se comportar como apenas mais um jogador. Aos 37 anos, ele falso nove mais resoluto do século se esforça para que toda a equipe continue a girar em torno dele. O mal-estar começou a tomar forma antes do último Campeonato da Europa. Primeiro com Fernando Santos, o treinador, que avisa que Cristiano já não tem condições físicas para escolher onde quer jogar, mas que tem de se adaptar à equipa e não o contrário.

Protagonista da última coletiva de imprensa antes da partida, Cristiano se gabou de ser um coletivista quando alguém prontamente lhe perguntou se a Copa do Mundo era inconcebível sem ele. “Não há Copa do Mundo sem Portugal, não há indivíduos aqui”, disse; “É um grupo, é todo mundo.”

“surpreso”

Cristiano insiste em alongar a carreira sem perder peso específico. A realidade do campo de jogo contradiz sua afirmação. Cristiano jogou um total de oito partidas de qualificação para a Copa do Mundo. Sempre como motor de arranque e sem nunca ser substituído. Ele só marcou gols contra a Irlanda (2) e Luxemburgo (4). Dos três gols que marcou contra o Luxemburgo, os dois primeiros foram de pênaltis. Contra a Sérvia – vencedora do grupo – ele ficou sem gols em 180 minutos. Contra a Turquia, na última quinta-feira na semifinal do play-off, também não foi decisivo. Diferente. A sua presença irritou companheiros como Bruno Fernandes, perdidos como Moutinho nos processos criativos de uma equipa que, por falta de empatia, teve dificuldade em encontrar o caminho para o golo. A Turquia estava a uma grande penalidade – Yilmaz falhou – de empatar 2-2 e levar Portugal à beira do precipício. A Macedônia não é menos perigosa.

“A Macedônia surpreendeu a Itália”, disse Cristiano. “Ele fez isso em muitos jogos. Mas acho que amanhã não nos surpreenderá. Portugal vai ser melhor e vamos ao Mundial”.

A Macedônia é uma equipe muito limitada que é coletada em sua área como as melhores rochas da Europa. Escondidos na última trincheira, seus meio-campistas e zagueiros são mestres na arte de estreitar espaços, levantar obstáculos e evacuar bolas. Se Portugal não endireitar o rumo do jogo e nas bancadas de O Dragão começar a ouvir-se o rumor do medo, os seus jogadores terão de mostrar a coesão que lhes faltou. Então o destino do time da casa chegará perigosamente perto do destino da Itália.

Você pode acompanhar o EL PAÍS DEPORTES em Facebook S Twitterou cadastre-se aqui para receber nosso boletim semanal.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.