Portugal luta para apagar fogo num parque natural

Portugal ainda luta para combater um grande incêndio florestal no Parque Natural da Serra da Estrela, no centro do país, onde muitos recursos foram mobilizados na quarta-feira, 17 de agosto, para extinguir este incêndio que começou a 6 de agosto.

90% do perímetro deste incêndio está agora sob controleDisse o comandante da Defesa Civil André Fernandes durante entrevista coletiva à tarde.

No terreno, no entanto, mais de 1.200 bombeiros continuaram a trabalhar arduamente, apoiados por 340 viaturas e 14 unidades aéreas em operações de consolidação.num raio de 160 quilómetrosDeclarado controlado na semana passada, o incêndio na Serra da Estrela voltou a aumentar na segunda-feira. Foi instaurado um inquérito para apurar as causas. Alimentadas pelo vento, as chamas progrediram rapidamente de forma devastadora “cerca de 10.000 hectaresnas horas que se seguiram, segundo as primeiras estimativas das autoridades portuguesas. Esta superfície está em cima da superfície de cerca de 15.000 hectares já queimados na semana passada. Este incêndio, no qual 24 pessoas ficaram feridas desde segunda-feira, incluindo 3 graves, é já o mais importante deste verão em Portugal. O cheiro de fogo foi sentido em Madri na terça-feira, de acordo com o socorro espanhol. Este incêndio destruiu espécies únicas neste parque reconhecido pela Unesco, no coração da Serra da Estrela, que tem um pico a cerca de 2000 metros.

Na terça-feira, os moradores da aldeia de Orjais, no sopé desta serra, viveram momentos de terror quando as chamas se aproximaram de suas casas. “foi o caosA AFPTV disse a Fátima Cardoso, uma moradora de 62 anos, explicando como os moradores tiveram que combater o incêndio junto com os bombeiros completamente sobrecarregados. O objetivo do corpo de bombeiros é ter o fogo controlado até sexta-feira, antes que a temperatura suba novamente. “Ainda não chegamos ao fim deste período crítico de queimaO ministro do Interior, José Luis Carneiro, alertou esta quarta-feira após encontro com responsáveis ​​do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). “Estamos entrando em uma terceira onda de calor“a partir de sábado que deve se estender até setembro”que parece um “mês mais quente e seco” do que o habitual, afirmou.

Portugal, que vive uma seca excepcional este ano, já vive o julho mais quente em quase um século. Cerca de 92.000 hectares viraram fumaça desde o início do ano, a maior área desde os incêndios mortais de 2017 que mataram cerca de 100 pessoas, de acordo com o último relatório do Instituto de Conservação e Florestas.

VEJA TAMBÉM – Portugal: enquanto 15.000 hectares já arderam, recomeça um incêndio florestal num parque natural

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.