Portugal: Lisboa cai nas mãos de conservadores, um revés para o governo

Publicado em 27 de setembro. 2021, 12:47Atualizado em 27 de setembro. 2021 às 16:01

A Câmara Municipal de Lisboa passará à direita. É um grande revés para o primeiro-ministro socialista António Costa, que esteve intimamente envolvido na campanha. O candidato conservador Carlos Moedas, ex-comissário europeu de Pesquisa de 2014 a 2019, pegou a cidade de surpresa.

O prefeito cessante, o socialista Fernando Medina, foi despejado de seu reduto que liderou desde 2015, quando Antonio Costa concorreu às eleições parlamentares antes de se tornar primeiro-ministro. Fernando Medina obteve apenas 31,7% dos votos, contra 35,8% de Carlos Moedas, que conseguiu capitalizar o descontentamento habitacional que está expulsando a classe trabalhadora da capital.

“Ganhamos contra tudo e contra todos”, disse Carlos Moedas na noite de domingo. A questão será se a política municipal de Lisboa voltará a servir de trampolim para a política nacional desta vez, à direita. Ele agora pode se apresentar como o futuro homem forte da formação de centro-direita, o PSD, em busca de um novo líder.

Derrota pessoal para Costa

A perda de Lisboa soa como uma derrota pessoal para António Costa, que foi autarca entre 2007 e 2015 e é o grande arquitecto do renascimento da cidade e da reabilitação de bairros a sair de um lento declínio.

Lendo os resultados, ele reconheceu a frustração com uma derrota inesperada, mas confirmou as ambições de seu governo. “Estamos num ponto de viragem na gestão da pandemia, precisamos de focar todas as nossas energias no essencial, revitalizar a economia, investir na criação de empregos de melhor qualidade e seguir a agenda estratégica face aos desafios das alterações climáticas”, afirmou. respondeu domingo à noite.

Essas eleições, marcadas por uma taxa de abstenção muito alta, podem ser o início da recuperação da direita. A derrota em Lisboa arruinou o registo eleitoral dos socialistas, claramente favorável a nível nacional, apesar da emergência de uma série de coligações que deveriam conduzir a alianças complicadas.

Extrema direita erra o barco

Nacionalmente, o Partido Socialista obteve 34,4% dos votos e venceu em 147 municípios, contra 30,8% e 108 municípios da oposição de centro-direita. Os candidatos comunistas obtiveram 8,22% dos votos e o partido de extrema-direita Chega, que concorreu pela primeira vez nas eleições municipais, perdeu o barco. Não consegue se destacar, arrecadando apenas 4,16% dos votos, longe de se estabelecer como a terceira força nacional como esperava.

O governo de António Costa contou com as eleições autárquicas para coroar o sucesso das suas políticas face à pandemia. O país está atualmente a liderar a campanha de vacinação na Europa com 89% dos adultos vacinados (e 97,3% já com pelo menos uma injeção), o turismo voltou a recuperar este verão e a chegada de fundos europeus deve permitir um renascimento.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *