Portugal endurece penas a funcionários públicos de alto escalão que ocultam aumentos substanciais de riqueza | Internacional | Notícias

O Parlamento de Portugal aprovou hoje por unanimidade uma lei que endurece as penas para os titulares de cargos políticos e altos funcionários públicos que escondem aumentos substanciais de bens, que podem chegar a cinco anos de prisão.

A nova lei, que se baseia nas propostas de oito partidos e de um deputado sem registro, criminaliza o chamado “enriquecimento ilícito” de cargos políticos e públicos, que serão obrigados a declarar qualquer aumento de patrimônio que exceda 50 vezes o salário mínimo, ou seja, que ultrapasse os 33.250 euros.

Deverão ainda declarar as promessas de vantagem patrimonial – quando se convencione receber aquela quantia no futuro – feitas durante o seu mandato ou nos três anos seguintes ou se tiver havido uma redução da sua dívida superior a essa quantia.

A lei aplica-se tanto às alterações patrimoniais ocorridas no território nacional como no estrangeiro, devendo a declaração especificar a origem dessas alterações.

Cobranças que não atendem a esse padrão Eles podem ser condenados a uma pena de prisão entre um e cinco anos..

Além disso, todos os aumentos injustificados de riqueza que forem detectados e superiores a 50 salários mínimos serão tributados para fins de IRPF à alíquota especial de 80%.

Discordâncias sobre a constitucionalidade da nova lei

A norma foi aprovada por unanimidade, embora o maior partido conservador, o PSD (centro-direita), tenha alertado que existem alguns trechos da norma que podem ser inconstitucionais porque, em sua opinião, viola o princípio da presunção de inocênciaenquanto os socialistas defendem que o texto respeite a Carta Magna.

O Tribunal Constitucional já vetou em duas ocasiões (2012 e 2015) leis anteriores que visavam criminalizar o enriquecimento ilícito.

A norma aprovada esta sexta-feira culmina uma década de tentativas de endurecimento deste crime em Portugal, onde o presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, instou em várias ocasiões a avançar com a aprovação desta lei.

“Eu o defendo há dez anos, muito tempo já foi perdido”, alertou em abril passado.

A lei surge em meio à chamada “Operação Marquês” envolvendo o ex-primeiro-ministro José Sócrates, que liderou o governo socialista entre 2005 e 2011.

Sócrates foi acusado pelo Ministério Público de 31 crimes de corrupção, fraude fiscal, branqueamento de capitais e falsificação de documentosdepois de receber subornos de até 34 milhões de euros que lhe permitiram enriquecer, mas o juiz de instrução rejeitou a maior parte dessa acusação.

O juiz Ivo Rosa decidiu que Sócrates deveria ser julgado apenas por três crimes de lavagem de dinheiro e três de falsificação de documentos, decisão que foi objeto de recurso do Ministério Público. (EU)

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.