Portugal: eleições legislativas antecipadas a 30 de janeiro de 2022

A 27 de outubro, a Assembleia da República Portuguesa votou contra o projeto de Orçamento do Estado para 2022 elaborado pelo governo do primeiro-ministro António Costa. Esta recusa do governo e, portanto, do Partido Socialista, levou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a dissolver a Assembleia e a convocar eleições legislativas antecipadas para o próximo dia 30 de Janeiro.

A fratura entre os partidos de esquerda fez com que essas eleições antecipadas

Desde as eleições legislativas de 2015 e a consequente moção de desconfiança contra o governo do PSD, o Partido Socialista, com o apoio de outros partidos de esquerda, detinha a maioria na Assembleia. Este acordo particular com os partidos de esquerda foi descrito como “geringonça” -uma engenhoca- Esta maioria permitiu ao partido socialista governar o país, mas era um pouco frágil, pois contava com o apoio do PCP (Partido Comunista Português) e o Bloco de Esquerda. Este apoio, que permitia ocupar mais de 50% dos assentos no Parlamento, desintegrou-se completamente durante as negociações para o Orçamento do Estado de 2022. Os dois partidos apresentam grandes divergências com o Partido Socialista sobre as medidas principais do orçamento. Em particular, criticaram o partido de António Costa por não respeitar as suas exigências no aprofundamento de medidas sociais como: creches gratuitas, aumento do salário mínimo e pensões. Essas divergências levaram ambas as partes a votar contra o orçamento, que foi, portanto, rejeitado, pela primeira vez desde a transição para a democracia no país. Isso mergulhou o partido socialista, o governo e, de forma mais geral, o país em uma crise política. O Presidente da República declarou dissolução da Assembleia Nacional e convocou eleições antecipadas para compor uma nova Assembleia e, portanto, um novo governo. Resta saber que maioria sairá das urnas.

Eleições legislativas com resultado incerto

As eleições realizam-se a 30 de Janeiro. As duas grandes forças políticas, os partidos de esquerda do PS e a direita do PSD (Partido Social-Democrata), estão bem à frente nas sondagens. No entanto, a acreditar nestas sondagens, nenhuma delas tem capacidade para obter a maioria absoluta e, portanto, terá de recorrer ao apoio de outras forças políticas do país para poder governar. De acordo com uma última sondagem publicada pelo jornal Expresso, o PS, liderado por António Costa, seria creditado com 38% das intenções de voto, este último tinha obtido a pontuação de 36% nas últimas eleições, em 2019. PSD de Rui Rio , que obteve 27% dos votos em 2019, atualmente é creditado com 32% das intenções de voto e parece ter uma carta para jogar. Chega, o partido de extrema-direita é creditado com 7% das intenções de voto, um número em ascensão. Atrás, encontramos a CDU (coalizão entre o Partido Comunista e os Verdes) com 6%, o BE com 5% e a Iniciativa Liberal também com 5%. No entanto, as sondagens nem sempre são fiáveis, como foi o caso das eleições municipais de Lisboa em setembro passado.

Se o PS parece estar na pole position para obter a pontuação mais alta, obter a maioria absoluta parece muito complicado e a questão principal então reside na capacidade do partido de obter o apoio de outras forças políticas. Com efeito, na sequência do profundo desacordo entre os partidos de esquerda durante a votação do orçamento, o BE e o PCP já não parecem ser parceiros óbvios do Partido Socialista. Alguns analistas políticos falam mesmo de um potencial bloco central entre os dois grandes partidos, o PS e o PSD. A situação é tanto mais incerta quanto o actual primeiro-ministro e secretário-geral do PS afirmou que apresentaria a sua demissão se não obtivesse a maioria absoluta que lhe permitisse governar de forma estável durante quatro anos.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.