Portugal confia em António Costa

O primeiro-ministro foi reconduzido pela terceira vez desde 2015, e apenas seu Partido Socialista detém a maioria.

Lisboa

Esta vitória é de humildade, confiança e responsabilidade “Julgou António Costa na noite de domingo, depois de conhecer a magnitude do seu sucesso nas eleições parlamentares portuguesas. Da sede da campanha do Partido Socialista (PS), em Lisboa, o primeiro-ministro cessante falou com garantias de que alguém está a ser chamado para se tornar o inquilino mais alto do palacete de São Bento, residência oficial do chefe de governo português.

Chegou ao poder em 2015, graças a uma coligação de esquerda anti-austeridade, a “geringonça”, que venceu o Partido Social Democrata (PSD, centro-direita), que, no entanto, ficou em primeiro lugar nas eleições, renovadas em 2019 pela renegociação dos seus lado esquerdo Desta vez, contra todas as probabilidades, conseguiu libertar-se do apoio exigente do Partido Comunista (PCP) e do Bloco de Esquerda (BE).

O próprio Costa, entrando no hotel Altis para assistir à noite eleitoral, confidenciou aos jornalistas: a maioria absoluta é “um cenário extremo que não pode ser previsto” E, finalmente, o PS conquistou 41,68% dos votos e 117 deputados em 230 assentos na Assembleia da República, o parlamento português unicameral.O seu rival histórico, o PSD, cujo dinamismo todas as sondagens o levaram a cotovelar-se contra os socialistas está muito atrás, com 27,8% para 71 parlamentares.

Um triunfo perturbador

Esta é a primeira vez que um primeiro-ministro passa de um governo minoritário para uma maioria absoluta. », nota António Costa Pinto, filiado ao Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Suficiente para superar as expectativas de um líder que, no entanto, tem um ” otimismo irritante “, segundo a descrição do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (PSD), com quem convive tranquilamente desde 2016.

O triunfo é ainda mais preocupante porque nenhum observador qualificou a campanha de Costa e do PS em termos favoráveis. Na sexta-feira, os analistas da rádio TSF ainda sublinharam o carácter “errado”estratégia socialista. Depois das jeremias contra o PCP e o BE, que se recusaram a votar o orçamento, Costa exigiu maioria absoluta dos eleitores, frase que até então evitava como tabu, e depois encerrou a campanha concordando com os seus turbulentos aliados em considerar.

Houve votação útil da esquerda para Antonio Costa continuar como primeiro-ministro

Rui Rio, presidente do PSD

O cientista político tem uma afirmação que se mantém consistente com as análises compartilhadas antes da eleição. “Sabíamos que 70% dos eleitores de esquerda estavam satisfeitos com a ringingonça lembra Costa Pinto. Eles puniriam, portanto, a parte ou partes que acreditassem serem responsáveis ​​pela violação. O que pode ser surpreendente é a magnitude dessa reação. †Uma análise que ilumina a conclusão clara da manchete da lista do PSD, cujos dias políticos parecem contados:Houve votação útil da esquerda para Antonio Costa continuar como primeiro-ministro disse Rui Rio na noite da derrota,não havia o mesmo à direita para evitá-lo. †

Esta nova surpresa, depois do seu acesso ao poder sem vencer as eleições de 2015, é a primeira em Portugal. †Sua chegada ao governo na época não teve nada a ver com sorte », estima Octavio Lousada Oliveira, director da revista semanalNovo semanal e co-autor de uma biografia do primeiro-ministro. †Costa não tem uma grande visão do país, mas é politicamente experiente. Não é de despertar grandes paixões, mas é um gestor do dia-a-dia e um grande negociador.

A onda rosa

Nascido em 1961, filho de mãe ativista feminista e pai militante comunista, Antonio Costa se envolveu com a juventude socialista desde os 14 anos, colocando cartazes enquanto o país abolia a ditadura de Salazar. Licenciado em Direito e sobretudo político profissional, alternou funções ministeriais com António Guterres e José Sócrates, nas décadas de 1990 e 2000, e na Câmara Municipal de Lisboa, da qual foi presidente da Câmara entre 2007 e 2015. Já pratica tecelagem à esquerda. . O professor Costa Pinto descreve-o em“um socialista dominante”

Antonio Costa também soube travar batalhas importantes. Dentro do governo de Guterres, para se impor aos ministros rivais, ou ao PS, cujo poder ele arrancou do secretário-geral cessante, acusado de ter obtido apenas uma vitória nas eleições europeias de 2014″garotinha ” (“muito pequeno”enfrentando o PSD.

E o que ele vai fazer com a onda rosa agora? †Maioria absoluta não significa poder absoluto., ele temperou a noite de domingo. †Ele terá cuidado e, mesmo que não precise do apoio deles, tentará dialogar à direita e à esquerda., traduz o professor Costa Pinto. O orçamento dele já está pronto, o orçamento que a esquerda rejeitou da esquerda e que ele está balançando como um programa. O salário mínimo e as pensões aumentam suavemente, o imposto de renda diminui para os menos afortunados. †Até agora, ele ainda não fez história.Lousada Oliveira julgado antes da votação.

Livre das negociações permanentes e das pressões das próximas eleições, nas quais não deveria participar, Costa, ajudado pela sorte inesperada de fundos europeus, agora tem carta branca para deixar sua marca.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.