Portugal ainda devastado pelas chamas

Portugal, atingido por uma terceira vaga de calor desde o início de julho, combatia ontem vários incêndios.

Atingido por uma terceira vaga de calor desde o início de julho, Portugal está em alerta até terça-feira devido ao risco de incêndios florestais. Na tarde de ontem, cerca de 2.000 bombeiros foram mobilizados para apagar as chamas em todo o território, segundo dados da proteção civil.

O maior incêndio assolava a região de Vila Real, no extremo norte, e avançava desde o dia anterior dentro de uma zona montanhosa de difícil acesso.

“Segundo estimativas provisórias, este incêndio queimou 4.500 hectares”, disse o comandante nacional da proteção civil André Fernandes, durante uma atualização ao meio-dia.

Para combater este incêndio florestal, Portugal pode contar a partir de segunda-feira com o apoio de dois Canadairs gregos enviados no âmbito do mecanismo europeu de solidariedade.

O estado de alerta, decretado pelo governo no domingo, restringe nomeadamente o acesso às florestas, proíbe espectáculos pirotécnicos e prevê reforçar o nível de mobilização de socorro.

Durante os dias de segunda e terça-feira, o Instituto Meteorológico Português (IPMA) previu temperaturas em torno dos 40 graus Celsius nas regiões do interior do país.

Portugal, que este ano sofre com uma seca excepcional, viveu o mês de julho mais quente em quase um século.

Desde janeiro, mais de 94.000 hectares viraram fumaça no país, a maior área desde os incêndios mortais de 2017, que mataram cerca de 100 pessoas, segundo o último relatório do Instituto de Conservação da Natureza. e Florestas (ICNF).

Só o incêndio florestal no Parque Natural da Serra da Estrela, região montanhosa do centro de Portugal classificada pela Unesco, consumiu mais de 25.000 hectares de vegetação em onze dias.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.