Os “Guerreras” querem colocar um pé e meio na Europa

Madrid, 19 Abr (EFE).- A seleção espanhola de handebol feminino tentará dar um passo quase definitivo rumo ao Europeu de 2022 nesta quarta-feira (20h00) com uma vitória na Eslováquia, comandada pelo ex-técnico espanhol Jorge Dueñas, que colocaria o “Guerreras” com um pé médio na nomeação continental máxima.

Para isso, a seleção espanhola, semifinalista na última Copa do Mundo na Espanha, confia no retorno das laterais Alexandrina Barbosa e Almudena Rodríguez, que voltam à equipe após perder os dois últimos dias da fase classificatória.

Da mesma forma, a zaga Carmen Campos e o atacante Kaba Gassama, que não puderam participar por problemas físicos no duplo confronto que a seleção espanhola disputou com a Hungria em março passado, também voltarão à convocação.

Por outro lado, o técnico espanhol José Ignacio Prades não poderá contar com a ala Jennifer Gutiérrez na cidade eslovaca de Michalovce, que será substituída pela jovem Ona ​​Vegué, que vestirá a camisa “Guerreras” pela primeira vez vez em uma partida oficial, depois de estrear em abril de 2021 nos amistosos disputados contra a Dinamarca.

Mudanças que não alteram o papel de favorito da seleção espanhola, que poderá até certificar matematicamente a qualificação para o Campeonato da Europa se conseguir bater a Eslováquia e Portugal não bater a Hungria, na quinta-feira, na cidade portuguesa de Loulé.

Especulações em que os “Guerreras” não querem cair, preferindo se concentrar em cumprir sua parte do roteiro e derrotar uma equipe eslovaca que a equipe do Prades já venceu por 33-28 na primeira mão disputada em outubro passado na cidade de Antequera, em Málaga .

Um duelo em que o espanhol Jorge Dueñas, o treinador que levou os “Guerreras” ao bronze nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, ainda não estava à frente da seleção da Europa Central, que foi nomeado o novo treinador da Eslováquia em fevereiro passado. ´

Mas nem mesmo a chegada de Dueñas, que terminou com derrotas nos dois primeiros jogos contra Portugal, conseguiu impedir a Eslováquia de chegar ao duelo com os “Guerreras” sem qualquer chance de classificação.

Uma circunstância que permitirá ao treinador espanhol continuar a testar jogadores com vista ao futuro como a muito jovem pivô Viktoria Gyorova, que Jorge Dueñas estreou-se com apenas 18 anos em Março passado frente a Portugal, ou a lateral Olivia Scipova, 19 , que vai estrear contra os “Guerreras”.

No entanto, o maior perigo para a equipa espanhola virá do robusto pivô Nikoleta Trunkova, que já marcou sete golos na primeira mão.

Os mesmos marcados pela lateral-esquerda Simona Szarkova, jogadora do húngaro Siofok, que perderá a convocação por problemas físicos, o que aumentará o papel ofensivo da jovem lateral-direita Barbora Lancz, que apesar de ter apenas 19 anos old já foi o artilheiro da seleção eslovaca na última Copa do Mundo na Espanha.

Argumentos que não diminuem a ambição da seleção espanhola que não só quer conseguir a passagem para o Europeu que será disputado em novembro próximo na Eslovênia, Macedônia e Montenegro, mas também quer fazê-lo como o primeiro do grupo.

“O grupo está muito ciente do que significa ir a um Europeu e da dificuldade de lutar com outras duas equipes que têm opções. Nosso objetivo é conquistar os quatro pontos e apressar nossas opções para ser o primeiro do grupo, ” disse o técnico espanhol José Ignacio Prades.

Um gol pelo qual a Espanha não só terá que vencer a Eslováquia nesta quarta-feira, mas também Portugal em Irún no próximo domingo, além de esperar um tropeço da Hungria, com quem está empatado em pontos na classificação, mas que ocupa o primeiro lugar no o grupo graças ao seu melhor saldo de gols em confrontos diretos.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *