Os encarnados reacenderam a chama contra Portugal

Graças à vitória sobre Portugal (1-0) na noite de domingo em La Praille, a seleção suíça reacendeu a chama da esperança no coração de seus muitos torcedores. Agora pode queimar durante todo o verão.

Num estádio lotado – 26.300 espectadores – e partilhado entre adeptos suíços e portugueses, os “vermelhos” de Murat Yakin venceram pela menor margem (1-0) graças a um golo apontado aos cinquenta e seis segundos de jogo do avançado do Benfica Haris Seferovic .

Eles conquistaram sua primeira vitória do ano graças às proezas de Jonas Omlin na jaula e um impecável esprit de corps, esta vitória muda tudo. Os três pontos conquistados permitem que os helvéticos voltem, após três derrotas iniciais, a um único ponto atrás da República Tcheca, derrotada em Málaga pela Espanha (0-2) antes das duas últimas partidas em setembro. Manter-se na Liga A volta a ser possível.

Este sucesso acalma os espíritos. Com seu 4-3-3, Murat Yakin fez escolhas às vezes surpreendentes, mas vencedoras. O seleccionador nacional pôde contar com um capitão que se pagou do primeiro ao último minuto. Diante da pressão adversária, Granit Xhaka lidou admiravelmente. Após as cinco atuações medíocres entregues com a camisa nacional desde o início do ano, ele mostrou que é de fato um grande capitão e um exemplo para seus companheiros de equipe.

Granit Xhaka, ao centro com a braçadeira de capitão, aqui oposto ao português Bernardo Silva, n°10 em verde-claro, e Remo Freuler, n°8 à direita, estiveram entre os jogadores mais destacados da seleção suíça no domingo à noite em La Praille (© KEYSTONE/Jean-Christophe Bott).

25º golo de Seferovic

Menos de um minuto foi suficiente para Haris Seferovic recordar que tinha sido o herói da Suíça – França no ano passado no Euro com a sua dobradinha em Bucareste. O Lucerna marcou seu vigésimo quinto gol pela seleção nacional com um cabeceamento de um cruzamento perfeito de Silvan Widmer, que se beneficiou de uma notável mudança de Xherdan Shaqiri.

Com este golo, a Suíça encontrou finalmente o sucesso que pode ter perdido nos três primeiros jogos desta fase de grupos. Teria sido ótimo, no entanto, se o VAR não tivesse cancelado um pênalti que Shaqiri estava prestes a marcar aos 13 minutos. Concedida a mão de Nuno Mendes num cruzamento deste mesmo Shaqiri, não tinha finalmente passado o corte do VAR devido a uma falta de Nico Elvedi sobre André Silva no início da acção.

Uma vantagem de dois gols teria sido mais confortável, especialmente depois que Shaqiri saiu no 21º com uma dor na coxa. O Basel foi logicamente substituído por Noah Okafor, afastado do time titular devido ao retorno à graça de Seferovic.

Sem Cristiano Ronaldo poupado, mas com um Bruno Fernandes bastante inspirado e um insustentável Rafael Leão, Portugal levou a melhor nos minutos. Mas ele só teria uma chance com um cabeceamento de Danilo no qual Jonas Omlin interveio com classe. O guarda-redes do Montpellier apresentou uma exibição que Gregor Kobel não tinha realmente alcançado uma semana antes em Lisboa.

Deslumbrante Omlin

No reinício, Widmer também teve que desistir de seu lugar. Não sabemos se Murat Yakin mordeu os dedos por ter rebaixado para as arquibancadas dois jogadores que ocupam essa posição lateral no clube.

Como poderíamos temer, este segundo período foi apenas um ataque-defesa. Impressão reforçada com as entradas de Diogo Jota e Bernardo Silva pouco depois da hora de jogo. Felizmente para o onze suíço, seu goleiro estava à altura da situação. O Omlin salvou a sua equipa aos quarenta e nove minutos à frente de André Silva, aos sessenta e três num golo de Bernardo Silva, aos setenta e dois numa recuperação de Guedes e num cabeceamento de Diogo Jota novamente nos setenta e dois. sétimo. Já em vantagem em Wembley em março passado contra a Inglaterra, o jogador de Lucerna demonstrou que poderia, como Yann Sommer, também estar à altura da ocasião em encontros importantes.

Resta explicar por que os jogadores de Murat Yakin estavam muito mais confortáveis ​​durante os primeiros quarenta e cinco minutos do que no segundo tempo. Para o auxiliar de Murat Yakin, a resposta é clara: a confiança gerada pelo tento inaugural na primeira parte, depois pela vontade de reduzir os espaços por parte dos lusitanos após o chá…

Publicado automaticamente. Fonte: ats

Modificado posteriormente.

Marco Soares

"Leitor. Defensor da comida. Fanático por álcool. Fã incondicional de café. Empresário premiado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.