Onda de calor e incêndios: Itália, Espanha e Portugal no centro da onda de calor

Uma onda de calor sem precedentes atinge o sul da Europa. Depois de Itália e das suas temperaturas recordes – 48,8°C na Sicília na quarta-feira – devido ao anticiclone “Lúcifer”, é a vez de Espanha e Portugal serem vítimas de uma massa de ar muito quente vinda do Norte de África. Espera-se que esse tipo de fenômeno de onda de calor aumente e piore com as mudanças climáticas, disseram os cientistas.

Grandes incêndios eclodiram na Itália. Bombeiros combateram meio milhar de incêndios de quarta a quinta-feira. “Nas últimas 12 horas, foram realizadas 528 intervenções, incluindo 230 na Sicília, onde a situação está atualmente sob controle”, disseram os bombeiros em comunicado. Cerca de 50 bombeiros voluntários de toda a Itália foram enviados para combater as chamas. Na Calábria, onde realizaram cerca de uma centena de intervenções durante a noite, a situação é particularmente difícil perto das cidades de Reggio Calabria, em frente ao Estreito de Messina no extremo sul, em Catanzaro e no interior de Cosenza.

Uma nova vítima foi registrada, elevando o número de mortos nos incêndios para quatro nesta semana. O anticiclone “Lúcifer” está atualmente varrendo a península e fazendo os termômetros explodirem. O corpo carbonizado de um homem de 79 anos foi descoberto na quarta-feira perto de Reggio Calabria, e outro homem na Calábria, de 77 anos, morreu enquanto tentava proteger seu rebanho das chamas, segundo a imprensa italiana. Na sexta-feira passada, uma mulher de 53 anos e seu primo de 35 anos, ainda perto de Reggio Calabria, morreram ao tentar salvar o olival da família.

Um risco “extremo” de incêndio em Espanha e Portugal

Espanha e Portugal terminaram em uma intensa onda de calor até pelo menos segunda-feira. As temperaturas bem acima das normas sazonais devem-se à erupção de uma massa de ar muito quente do Norte de África, combinada com uma forte exposição solar. De acordo com as autoridades de ambos os países, são esperados incêndios em grande parte da península. Este risco é ainda mais preocupante em Espanha e Portugal, pois a região mediterrânica é palco de incêndios devastadores há semanas, particularmente na Grécia e na Argélia.

Na Espanha, o risco de incêndio na quinta e sexta-feira é classificado como “extremo” em grande parte do país, segundo a Agência Nacional de Meteorologia. Ainda não divulgou sua previsão de risco para os próximos dias. Em Portugal, o alarme de incêndio é “máximo” entre quinta e segunda-feira nas regiões norte e centro do país, bem como em parte do Algarve a sul, segundo o Météo Portugal.

45°C esperados no sul da Espanha

Devido a esta onda de calor, o mercúrio pode subir para 40°C. São esperados picos significativamente mais altos em várias regiões, especialmente no Vale do Guadalquivir, no sul da Espanha, onde as temperaturas podem chegar a 45°C. Já esta quarta-feira, a temperatura atingiu os 42°C na província de Ciudad Real, no centro do país, segundo medições da Agência Nacional de Meteorologia espanhola.

No nordeste, a região altamente turística da Catalunha proibiu o acampamento na floresta e as atividades esportivas rurais, bem como certas atividades de agricultura mecânica em determinados momentos, para limitar o risco de incêndio. Pela primeira vez desde 1920, o famoso Parque do Retiro, muito popular entre os madrilenos que procuram um canto sombreado, deve mostrar mais de 40 ° C por três dias consecutivos, de sexta a domingo, a palavra de porta da Agência Meteorológica, Rubén del Campo, no Twitter.

Entre 2011 e 2020, a Espanha registrou duas vezes mais ondas de calor do que em cada uma das três décadas anteriores. Os cientistas consideram as ondas de calor repetidas como um efeito inequívoco do aquecimento global e acreditam que essas ondas de calor inevitavelmente se multiplicarão, se alongarão e se intensificarão.

“Na Espanha, não estamos imunes a este perigo”, alertou o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, sobre os incêndios na quarta-feira, acrescentando que a chegada desta onda de calor deixou o país “uma zona de risco”. Ele também pediu a seus compatriotas que “usem o máximo de cautela” para limitar o risco de incêndios. Portugal, que sofreu incêndios mortais em 2017 que mataram mais de uma centena de pessoas, “não quer voltar a ver este cenário”, insistiu na quarta-feira o primeiro-ministro António Costa.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.