O presidente de Portugal defende “virar a página” em 2022 e eleger um governo

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, em imagem de arquivo. EFE / Marechal

Lisboa, 01 Jan (EFE) .- O Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, tem defendido “virar a página” este 2022 e ultrapassar a crise económica, sanitária e política, e apelou para que nas eleições de 30 de Janeiro se forme um governo com “legitimidade renovada”.
Defendeu-o este sábado durante a mensagem de Ano Novo do Palácio de Belém, onde salientou a importância de eleger um governo em eleições antecipadas “que dê voz ao pluralismo de opiniões e soluções” e que recupere “perdas de esperança e confiança”.
Este é o seu primeiro discurso de Ano Novo desde o início da pandemia, já que não o fez no ano passado devido à proximidade das eleições presidenciais, e o quinto desde que foi presidente de Portugal.
Na sua mensagem, o presidente reconheceu que 2021 “prometeu ser um fim e um novo começo, mas não foi”, para o qual convidou este 2022 a servir para “virar a página, consolidar, decidir, reinventar, reconectar” e cumprir o ditado “ano novo, vida nova”.
Da mesma forma, salientou a importância de “reinventar” e dar novas oportunidades aos portugueses, ajudar os mais afetados pela crise económica e social gerada pela pandemia, e combater a corrupção e o enriquecimento ilícito com “transparência, rigor, competência e eficácia”. .
O “virar a página” foi também uma menção à pandemia, e garantiu que é possível com testes, precauções e vacinação reduzir o ataque de uma doença com a qual os portugueses “aprenderam a conviver”.
“Os meses de janeiro a março serão um momento crucial para o inverno para ajudar a fechar um capítulo em nossa história e transformar preocupação e tristeza em esperança e confiança”, disse ele.
Portugal prepara-se para eleições antecipadas após a crise política desencadeada pela ruptura da aliança de esquerda, que deixou o governo socialista sozinho e em minoria e que levou os seus antigos aliados a rejeitar o Orçamento para este ano.
Da mesma forma, Portugal iniciou o ano após uma semana de registos de infeções por coronavírus e uma incidência de 14 dias, atualizada pela última vez na sexta-feira, de 1.182,7 casos por 100.000 habitantes.
Mesmo assim, o país tem cerca de 88% de sua população total com o esquema primário completo (98,3% nos maiores de 11 anos) e está focado em doses de reforço e vacinação de crianças de 5 a 11 anos.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.