O ex-banqueiro português Ricardo Salgado, de dono de tudo a mentor do crime | Economia

O banqueiro português Ricardo Salgado (Cascais, 77 anos) foi apelidado no seu país de DDT (dono de tudonomeadamente, dono de tudo isso) até junho de 2014, altura em que foi destituído da administração do Banco Espírito Santo. Oito anos depois ele começa a ser condenado por tudo isso. O Tribunal Central Criminal acaba de decretar a pena de seis anos de prisão por três crimes de abuso de confiança, por considerar provado que se apropriou de 10,6 milhões de euros de uma das empresas do Grupo Espírito Santo (GES) através de três transferências feitas a empresas no mar. Os juízes não acreditaram na inocência do banqueiro que, antes da abertura da comissão de inquérito na Assembleia da República após o colapso do império do clã Espírito Santo em 2014, assegurou que nem ele nem ninguém da família tinham levado um euro do do grupo nem abrir contas em paraísos fiscais.

Na sentença conhecida esta semana, no entanto, é declarado como facto provado que Salgado desviou 10,6 milhões de euros da empresa Espírito Santo Enterprises, considerada a “saco azul” que alimentou as irregularidades no GES, para contas abertas no Panamá. que ele controlava. Além disso, seu passaporte foi retirado e ele está proibido de sair do país sem autorização. A justiça portuguesa tenta assim evitar o constrangimento que sofreu no ano passado com a fuga de outro banqueiro, João Rendeiro, que fugiu para a África do Sul aproveitando a permissividade que os tribunais lhe deram para viajar apesar de acumular várias condenações. Sua fuga durou quase três meses e, após ser preso em Durban, ele permanece em uma prisão sul-africana aguardando a resolução do pedido de extradição sobre ele.

Os juízes que condenaram Salgado também consideram comprovado que ele sofre de Alzheimer, argumento que sua defesa usou, sem sucesso, para pedir a suspensão do julgamento e que ajudará a impedir sua entrada na prisão se ele finalmente acrescentar novas sentenças. Esta foi a primeira condenação criminal de Ricardo Salgado e está relacionada com a Operação Marqués, o escândalo de corrupção que afetou os principais centros do poder em Portugal. Além de Salgado, o ex-primeiro-ministro socialista, José Sócrates, acabaria preso. Esse macroprocesso foi dividido em vários procedimentos independentes para agilizar sua resolução. A primeira condenação foi emitida em junho passado para o ex-ministro e ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos, Armando Vara. A segunda foi a de Salgado. As audiências contra três outros réus, incluindo Sócrates, estão pendentes.

Nos últimos anos, Salgado também foi sancionado administrativamente por violar normas de prevenção ao branqueamento de capitais e regras de transparência que prejudicaram os interesses dos clientes do Banco Espírito Santo. Em fevereiro, o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão emitiu a mais recente, que o condena a pagar dois milhões de euros por oito infrações.

No entanto, o grande processo judicial para o colapso do Grupo Espírito Santo ainda está longe de chegar à audiência oral, apesar de terem se passado quase oito anos desde então. Em 21 de fevereiro, iniciou-se a fase de investigação, que se estenderá até maio. São 16 arguidos, incluindo Salgado, que o Ministério Público qualifica como chefe de uma organização criminosa que criou uma estrutura fraudulenta que funcionava à margem dos órgãos de gestão. O ministério público, que acusa Salgado de 65 crimes, calcula que os danos causados ​​chegaram a 11.800 milhões de euros.

O emaranhado judicial que envolve o colapso do grupo está no auge do poder que o clã do Espírito Santo alcançou em Portugal. Salgado, como testemunhou seu primo e rival José Maria Ricciardi perante a comissão de investigação, tomou as principais decisões do grupo de forma unilateral. “Nenhuma decisão foi tomada sem o conhecimento dessa liderança”, afirmou. Ricciardi não é acusado no caso e testemunhará a pedido da promotoria. Apesar de ter sido administrador da entidade, afirma desconhecer todas as irregularidades que agora estão a ser atribuídas aos antigos gestores. Ele garante que é, de fato, o único membro da família capixaba que conseguiu continuar trabalhando no setor financeiro nestes anos.

Ele conhece a fundo todos os lados da moeda.

se inscrever

Salgado foi afastado em junho de 2014 da presidência do Banco Espírito Santo, o pulmão financeiro que alimentava um império familiar que passou a ter mais de 350 empresas espalhadas por todo o mundo e que incluíam negócios hoteleiros, agrícolas, de saúde, seguros e agências. viajar por. A entidade que Salgado dirigiu durante 22 anos foi intervencionada pelo Banco de Portugal em 2014, quando os seus prejuízos atingiram os 3.700 milhões de euros. As contas da família foram congeladas e os bens acumulados por sucessivas gerações desde que José María Espírito Santo Silva lançou o embrião do empório com uma casa lotérica inaugurada no século XIX foram apreendidos. Uma rede empresarial e financeira sempre muito bem ligada ao poder político português, exceto no período que se seguiu à Revolução dos Cravos, quando houve expropriação de bens.

A sombra de Salgado surge em vários casos de corrupção investigados pela justiça portuguesa cometidos durante o governo socialista de José Sócrates, como o julgamento do seu ex-ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho, acusado, entre outros actos, de favorecer interesses do Grupo Espírito Santo durante sua etapa ministerial em troca do recebimento de transferências mensais de 15.000 euros em uma conta no Panamá.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.