O cheiro das florestas queimadas em Portugal chega a Madrid

Uma imagem de satélite divulgada pelos serviços de emergência mostra uma coluna de fumaça se espalhando por 300 km, a distância entre Portugal e a capital da Espanha. Os dois países, atingidos pela seca e pela onda de calor, lutam arduamente contra os grandes incêndios florestais.

Gravar calor

O incêndio da Serra da Estrela, declarado a 6 de agosto perto da Covilhã (centro), destruiu áreas florestais únicas deste parque reconhecido pela UNESCO, no coração da Serra da Estrela com um pico a cerca de 2000 metros.

10.000 hectares já foram queimados na província espanhola de Alicante (Valência, sudeste) e o fogo, que se espalhou na noite de sábado depois que um raio atingiu o Vall d’Ebo, ainda não foi extinto. Mais de 15.000 pessoas tiveram que ser evacuadas, disseram autoridades. Também nesta região, segundo as autoridades, ficaram feridos entre 11 e 13 passageiros, três deles com gravidade, quando o comboio em que viajavam esteve no centro de outro incêndio.

“Três deles foram gravemente queimados”, disse o departamento de saúde da Comunidade Valenciana, acrescentando que um deles teve que ser evacuado de helicóptero. Há também “entre 8 e 10 ferimentos leves”, acrescentou.

Na região espanhola de Aragão (nordeste), onde mais de 6.000 hectares foram queimados, os bombeiros parecem ter conseguido extinguir o fogo.

Na Espanha, os incêndios florestais foram três vezes mais devastadores em 2022 do que em 2021, quando 84.827 hectares viraram fumaça. Portugal, que viveu uma seca excepcional este ano, viveu o julho mais quente em quase um século.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.