“Nunca houve tanto desinvestimento no serviço de saúde de Portugal”

Os dramas atuais podem estar relacionados com o desmantelamento da saúde pública em Portugal?

Com crise em praticamente todas as frentes do serviço nacional de saúde SNS A pergunta que não para de aparecer é ” isso é um plano para destruir o SNS Serviço Nacional de Saúde? “.

Falando depois outro bloco de enfermeiras distribuindo isenções de responsabilidade acima de números incrivelmente baixos e condições de trabalho em deterioração O líder da oposição do PSD, Luís Montenegro, salientou que em nenhum momento da breve história do serviço nacional de saúde de Portugal houve “tanto desinvestimento”.

Os críticos podem “inventar todos os argumentos de bicho-papão que quiserem”; falando de neoliberalismo dentro do PSD; de “governança difícil” quando Portugal estava sob as ordens da Troika – mas “há nenhum momento histórico em que houve maior desinvestimento no SRS; no qualidade de serviço fornecido e em sua capacidade de ter mais e melhores profissionais”do que nos anos de governo socialista, disse ele.

Pior ainda, não só PS socialista parecem incapazes de aceitar isso, eles parecem satisfeitos em manter saltando a mantra isto ” Tudo está indo bem “.

este última crise em obstetrícia pode ser o ponto crítico, sugere o líder do PSD.

“Há razões mais do que suficientes para que o primeiro-ministro, o ministro da saúde e o governo assumam a responsabilidade direta”, mas não o fazem.

A maneira como ele vê isso” tudo o que acontece em Portugal é culpa de alguém que não seja o governo”.

Segundo a Lusa, o uso da ironia de Montenegro inferiu que o governo chegou ao ponto em que acredita os cidadãos vão aceitar que o SNS “seria bom” eles podem apenas evite ficar doente

A realidade é que agora é um “drama diário”. As manchetes de hoje referem-se a enfermeiras ser ” desmotivado e exausto” ; no cuidados de emergência, em particular cuidados obstétricos de emergência ser ” em risco “e no mães da futura geração do país sendo ” alarme “.

APDMG, pelos direitos das gestantes, acredita que tudo isso é um alerta do morte iminente do serviço de saúde do SNS. “É como se houvesse uma maldição este verão”, disse Isabel Valente da APDMG, cuja associação chegou mesmo a escrever à ministra da Saúde Marta Temido a pedir ‘quantos bebês têm que morrer” antes que a crise seja resolvida.

“Não viemos aqui por acaso. », argumenta Luís Montenegro. “Em primeiro lugar, porque tem havido um grande desinvestimento nos serviços públicos em geral e nos serviços de saúde em particular, e em segundo lugar por teimosia ideológica – porque o sistema de saúde em Portugal não tem de forma coordenada e complementar associar o SRS ao privado. setor. e setor social”.

Escrevendo hoje no tablóide Correio da Manhã, o presidente do Conselho Geral de Medicina Miguel Guimarães explica, pela enésima vez, que são necessárias soluções estruturais.

“Já podíamos e devíamos ter avançado com reformas em diferentes níveis”, explica.

A nova situação sanitária, promulgada pelo presidente Marcelo (com grandes reservas) foi apenas um pouco de teatro (bastante inútil). “Não precisamos de um novo estatuto do SNS para que o SNS comece a sua transformação”, explica Guimarães, enquanto os editorialistas abordam o cerne da emergência de hoje: ” Um país que hesita no cuidado de parteiras é um país sem direção. Um país onde especialistas médicos enviam uma carta ao governo dizendo que não podem mais ser responsabilizados por falhas na prestação de assistência é um país que desistiu de seu futuro”.

Desistiu de seu futuro ou está desistindo de sua saúde pública? Essa é a questão.

natasha.donn@portugalresident.com

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.