Novas restrições desmoronam serviços de testes gratuitos em Portugal | Sociedade

Dois dias após a entrada em vigor do “estado de calamidade” em Portugal, para o qual o governo socialista exige teste negativo de coronavírus para entrar no país, bares e discotecas e grandes eventos desportivos, as farmácias não conseguem dar conta da procura de testes.

Os portugueses podem fazer quatro testes gratuitos de antigénios por mês, financiados pelo Estado, em quase 800 farmácias e laboratórios do país, que registaram um aumento acentuado da procura esta semana devido às novas restrições.

Em Lisboa, a situação complicou-se com o dérbi entre Benfica e Sporting, que se realiza esta sexta-feira no Estádio da Luz, que tem capacidade para acolher até 60 mil pessoas, o que tem suscitado um maior interesse por estes testes de antigénios.

Como a agência Efe conseguiu verificar, em dez minutos, até três pessoas entraram numa farmácia na praça central lisboeta do Rossio para ver se podiam marcar um teste e a resposta foi negativa, que não houve vagas disponíveis até terça-feira; um fenómeno que se repete nas diferentes farmácias que realizam testes na zona turística da Baixa.

As pessoas que marcaram para esta sexta-feira foram as que marcaram há dois dias.

Em Lisboa, existem várias farmácias e laboratórios que abriram estandes na rua para a realização dos testes e as filas são contínuas.

Em frente ao posto montado pela farmácia Azevedo, em Lisboa, Tobias Leon Touzard, um austríaco a estudar em Lisboa, mantém-se na fila apesar de não ter hora marcada porque tem bilhetes para o dérbi desta noite e ainda não obteve o teste negativo.

“Achei que poderia vir sem hora marcada, mas acabei de ver que não é possível e estou tentando, mas me dizem que hoje não é possível, então estou esperando na fila que me digam onde posso fazer. O aplicativo móvel me diz que não é para hoje marcar consulta em nenhuma farmácia”, lamentou em declarações à Agência Efe.

Aogan Mostafa chegou à capital esta quinta-feira com quatro amigos da Suécia para assistir ao jogo de futebol e esta manhã enfrenta a árdua tarefa de encontrar um local para fazer a prova.

Foi “um pouco difícil” para ele encontrar a informação sobre as novas restrições em Portugal “porque foi anunciada com muito pouco tempo de antecedência”, mas, uma vez que as encontrou, considera as regras simples.

Das farmácias da Baixa, apesar de não fornecerem dados específicos, explicam que não há marcação disponível para testes de antigénio por ser uma zona turística, mas que nos bairros menos movimentados os locais podem ser liberados mais cedo.

A ministra da Saúde portuguesa, Marta Temido, reconheceu esta sexta-feira em declarações à comunicação social local que poderá haver algum “estrangulamento” na oferta de testes, situação que tem garantido que será resolvida “com o passar dos dias” .

Segundo dados divulgados pelo jornal português Jornal de Notícias, 35% dos municípios em Portugal não têm farmácias com testes gratuitos.

Portugal, que acumula uma incidência de 374 por 100.000 habitantes em 14 dias, vive atualmente a quinta vaga da pandemia, com o número de infeções a duplicar a cada poucas semanas.

Em 1º de dezembro, o país entrou em “estado de calamidade” e exige teste negativo, mesmo para os vacinados, para vida noturna, visitas a residências e hospitais, recintos esportivos e grandes eventos.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.