Notícias | Seca: regiões do sul da UE em risco até novembro, segundo a Comissão Europeia

Por La Provence (com AFP)

As regiões mediterrâneas continuam ameaçadas por secas anormais até novembro, quando as condições climáticas “perto do normalsão esperados em grande parte da UE, após um verão que prejudicou os rendimentos agrícolas, de acordo com a Comissão Europeia.

Quase metade do território da UE (47%) permaneceu, nos primeiros dez dias de agosto, exposto aos chamados níveis de seca”aviso“, ou seja, registrando um déficit significativo de umidade no solo, indicou segunda-feira o CCI, o serviço de pesquisa científica da Comissão – ou seja, aproximadamente o mesmo nível de um mês antes.

E 17% estão em alerta, com vegetação e lavouras seriamente enfraquecidas pela falta de água, contra 11% no início de julho.

De agora em diante, “após uma longa e invulgarmente seca, são esperadas condições quase normais de agosto a outubro em grande parte da Europa“, sublinham os peritos do CCI num relatório.”Isso pode não ser suficiente para recuperar totalmente do déficit cumulativo (precipitação) em mais de seis meses, mas aliviará as condições críticas em muitas áreas.“, estimam. Já, a precipitação de meados de agosto “pode ter aliviado as condições de seca“, Apesar de “em algumas áreas, as tempestades causaram danos e podem ter efeitos benéficos limitados“.

No entanto, para as regiões mediterrânicas ocidentais “condições mais quentes e secas do que a média podem ocorrer até novembro“, e espera-se que partes de Espanha e Portugal continuem a experimentar níveis de seca”aviso“, adverte o CCI.

O relatório estima que as condições de circulação atmosférica “geralmente associado a ondas de calor e seca durante os meses de verão na Europa“aumentaram nos últimos três meses para um nível não visto desde 1950 em grande parte do continente.

Entre as regiões mais afetadas pelo déficit de chuvas, o relatório destaca o centro e o sul de Portugal, toda a Espanha, sul da França, centro da Itália, sul da Alemanha, além de uma vasta área que abrange a Eslováquia, Hungria, Romênia e Moldávia.

Associadas pelos cientistas ao aquecimento global, essas condições meteorológicas excepcionalmente quentes e secas “reduziu drasticamente as perspectivas de rendimento para as culturas de verão“, observam os especialistas. De acordo com o relatório, o milho (rendimento abaixo de 8,6% a nível da UE), girassol (-5,5%) e soja (-9,6%) são os A produção final para a cultura do milho está prevista para ser de 16 % abaixo da média dos últimos cinco anos.

Isabela Carreira

"Organizador sutilmente encantador. Ninja de TV freelancer. Leitor incurável. Empreendedor. Entusiasta de comida. Encrenqueiro incondicional."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.