Niko Shera, para dar o salto final em sua nova categoria

Madrid, 28 de abril (EFE).- O judoca espanhol Nikoloz Sherazadishvili tentará endossar sua perfeita adaptação à sua nova categoria, depois de saltar de -90 para -100 quilos na conclusão dos Jogos Olímpicos de Tóquio, com a conquista de um medalha no Campeonato da Europa que começa esta sexta-feira em Sofia.

Mudar de peso nunca é fácil, mas Niko Shera, bicampeão mundial em -90 quilos, mal precisou de três torneios para subir ao pódio em suas novas categorias, depois de pendurar a medalha de prata há poucas semanas no Grand Slam de Antalya (Turquia) .

Uma data em que o “Madrid” mostrou o enorme potencial que tem em sua nova categoria com vitórias como as alcançadas nas quartas de final sobre o azerbaijano Elmar Gasimov, prata nos Jogos Rio 2016 e nas semifinais sobre o sérvio Aleksandar Kukolj , atual vice-campeão mundial.

Apenas o português Jorge Fonseca, o indiscutível número um do mundo na categoria, conseguiu parar Sherazadishvili em Antalya, depois de bater claramente o espanhol na grande final.

Uma derrota com a qual o judoca espanhol deve aprender, que poderia enfrentar Fonseca, vencedor das duas últimas Copas do Mundo, nas quartas de final, de acordo com o sorteio, em que Sherazadishvili foi emparelhado em sua primeira partida com o romeno de origem cubana Asley Gonzalez.

Niko Shera não será, no entanto, a única opção de medalha para a equipa espanhola na capital búlgara, onde Fran Garrigós tentará defender o título continental conquistado no ano passado na categoria até 60 quilos em Lisboa.

Não é uma tarefa fácil para o madridista, que já sabe o que é subir ao pódio este ano depois de pendurar o bronze no Antalya Grand Slam, dada a entidade dos rivais que o esperam em Sofia.

A começar pelo ucraniano Artem Lesiuk, que vai começar como cabeça de chave número um, ou o georgiano Lukhumi Chkhviamiani, campeão mundial e europeu em 2019 e que já derrotou Garrigós há poucas semanas nas semifinais do Grand Slam de Antalya.

Mas se há competição em que Fran Garrigós é bom, é o Campeonato da Europa, em que o pupilo de Quino Ruiz não desceu do pódio nas últimas três edições, depois de ter conquistado o ouro em 2021 em Lisboa, o bronze em 2020 em Praga e a prata em 2019 em Minsk.

Um cajon que Alberto Gaitero de Valladolid vai tentar voltar a pisar em Sofia, depois de ter pendurado no ano passado a medalha de bronze na categoria -66 quilos nos Europeus de Lisboa.

Salvador Cases, de Alicante, também disputará medalhas, prata no Grand Prix de Portugal e bronze no Grand Slam de Antália, na categoria de -73 quilos em que todos os olhares estarão voltados para a georgiana Lasha Shavdatuashvili, atual campeã mundial e prata nos Jogos de Tóquio.

Na categoria feminina, as principais opções da seleção espanhola incidirão, além de Julia Figueroa, bronze na última Copa do Mundo na categoria -48 quilos, em duas das promessas mais fortes do judô nacional: Ai Tsunoda e Mireia Lapuerta.

Tsunoda, que em outubro passado foi proclamada campeã mundial júnior na categoria de menos de 70 quilos, tentará endossar sua progressão imparável em Sofia.

Uma evolução que não passou despercebida a ninguém, como confirma a sua nomeação pela Federação Internacional para o prémio “estrela emergente” do ano de 2021.

Os de Sofia não serão os primeiros europeus absolutos da jovem judoca de Lleida, que completou 20 anos na semana passada, que já estreou no evento continental máximo em 2020 em Praga, onde foi eliminada em sua primeira luta.

No entanto, muito mudou na mentalidade de Ai Tsunoda, pai japonês e mãe francesa, desde então, como demonstra a medalha de bronze que o espanhol conquistou em janeiro passado no Grande Prêmio de Portugal.

Um resultado que alimenta as esperanças de Tsunoda de uma medalha em um Europeu em que a croata Barbara Matic, atual campeã mundial, e a holandesa Sanne van Dijke, última campeã continental, vão largar como principais candidatas ao ouro na prova de -70 quilos. categoria.

Medalhas que a jovem Mireia Lapuerta, de 22 anos, também sonha na categoria -48 quilos, depois do ouro (Prague Open) e dos dois bronzes (Antalya Grand Slam e Warsaw Open) conquistados pelo judoca de Barcelona em 2022.

Completarão a seleção espanhola, composta por nove mulheres e nove homens, Jaume Bernabéu (-60), Adrián Nieto (-66), Alfonso Urquiza e José María Mendiola (-81) e Irinel Chelanu (+100) no masculino categoria e Ana Pérez Box e Izaskun Ballesteros (-52), Jaione Equisoain (-57), Sarai Padilla e Cristina Cabaña (-63) e Lucía Pérez (-78) na categoria feminina.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *