não toque no botão

Em primeiro lugar, parabenizamos os torcedores do Deportivo Putin pelo passo avassalador com que iniciaram esta nova campanha. Os nossos parabéns vão daqui para Maduro, Cristina, Ortega, Máximo, Bolsonaro, Alicia Castro, o apartamento no Kavanagh de Alicia Castro, Trump, La Cámpora, Cecilia Nicolini, a segunda dose de Sputnik que Cecilia Nicolini vai trazer, Irã , as barbas de bloqueio de C5N, Coreia do Norte, Zaffaroni e muitos outros fãs da estrela russa.

Também felicitamos a mídia kirchnerista pelo esforço que estão fazendo para nos explicar que os regimes autoritários dos EUA, Canadá, Portugal, Espanha, Itália, França, Alemanha, Reino Unido, Irlanda, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Noruega , Suécia, Suíça, Grécia, Croácia, Polônia, Romênia e outras ditaduras ocidentais encurralaram a democracia de Putin e eles o deixaram sem escolha do que invadir a Ucrânia e assassinar sua população.

Nós, torcedores do Club Atlético Democracia y DDHH, reconhecemos a vitória parcial do nosso tradicional adversário com a tranquilidade de saber que o futebol sempre compensa.

Dito isso, vamos começar o temporada nº 15 desta página 2 da mídia hegemônica com a missão de tornar a nossa realidade cotidiana um pouco mais suportável e buscando sempre uma visão otimista dos fatos. Exemplo: apesar da crise que o país vive, devemos reconhecer que, na Argentina de hoje, Com uma única nota de mil dólares você pode comprar até quatro notas de um dólar e ainda sobra dinheiro para 10 ingressos de bondi no AMBA. Com este simples fato resumimos o estado da Nação e a história econômica dos últimos 20 anos. O resto são letras miúdas para os economistas.

Para continuar pensando positivamente e vendo a barbárie que Putin desencadeou, poderíamos dizer também que as feras peludas que nos governam, aquelas que nos governaram e aquelas que nos governarão no futuro, são comparativamente adoráveis.

Embora nossos líderes se percebam como poderosos, épicos, enérgicos, visionários, patriotas e tudo mais, aqueles de nós que o veem de fora, aqueles que saem para trabalhar todos os dias e aqueles que coletam impostos, sabem que não é um grande negócio. Grandes estadistas são feitos, mas você pode ver a costura em todos os lugares. Sem mencionar quando eles vão para a proa.

De fato, o “presidente” Fernández voltou de sua viagem à Rússia e à China e colocou uma de suas máximas (verbal de 12 de fevereiro): “Não pretendo impor um regime maoísta na Argentina”. Vamos, sejamos honestos. Quem vai acreditar que um cara que não conseguiu quebrar Luana Volnovich ou o namorado de Luana Volnovich vai conseguir impor um regime maoísta? De qualquer forma, mais do que “maoísta” poderia ser “meoísta”, tendo em conta que eles mijam em nossas cabeças.

A oferta de Alberto a Putin para sermos a porta de entrada da Rússia para a América Latina também não é algo para ser levado a sério. São aquelas coisas que ele costumava dizer na mesa de café com os caras da concessionária. Se você pressioná-lo a vender, o cara vende. Não mais do que isso. Não há nada com que se preocupar.

Talvez Cristina cause alguma preocupação, principalmente vendo sua conduta na terça-feira no Congresso, mas também não é grande coisa. Não há nada de errado com ela que não possa ser resolvido com algum medicamento. Hoje a medicina faz milagres.

E do outro lado não há muito com o que se preocupar. Nas últimas semanas, o ex-presidente Macri foi acusado por Verbitsky de tentar organizar uma invasão militar da Venezuela enquanto Página 12 Ele o acusa de comandar uma Gestapo. Ao mesmo tempo, um grupo de militantes kirchneristas denunciou que Macri planejava levar a água do Lago Escondido para os EUA em parceria com o bilionário Lewis e o governo nacional o acusa de organizar com o FMI o que eles chamam de “o maior golpe da história argentina”.

Caro leitor, com uma mão no coração: se o Gato tivesse o conhecimento e a capacidade de organizar apenas 10% do que lhe impingem, o país seria um fenômeno, Cristina nunca teria voltado e os kirchneristas seriam apenas um Comparsa de pessoas ultrapassadas balbuciando chavismo no Parque Centenário. Em vez disso, as grandes políticas de Macri e sua melhor equipe em 50 anos fizeram deles agora uma trupe de pessoas ultrapassadas balbuciando chavismo, mas na Casa Rosada.

Agora o governo está muito ofendido porque os deputados do PRO se levantaram enquanto o “presidente” falava. Esquecem que no dia em que Macri tomou posse em 2015, os deputados kirchneristas diretamente recusaram-se a descer às instalações e deixaram a Assembleia Legislativa vazia por ordem de Cristina e o então chefe do bloco, deputado Recalde. Ou seja, Macri ainda não havia tomado posse e os mesmos que agora estão ofendidos esvaziaram o Congresso Nacional onde tomava posse um presidente democraticamente eleito pelos argentinos. Não há direito de pontapé. Para lamentar a igreja.

Nem os do PRO podem se ofender com as coisas que o “presidente” disse sobre o endividamento. Pelo menos ele disse alguma coisa. Barricada Sarasa, mas alguma coisa. Se o governo Macri tivesse explicado muito claro e com todos os detalhes as razões pelas quais ele correu para buscar ajuda do FMI e depois relatou em detalhes em que cada dólar foi gasto, a história kirchnerista não teria acontecido. Dançar e cantar o governo de Cambiemos foi ótimo, mas na hora de falar e explicar em tempo hábil com dados e argumentos, foi uma catástrofe. E já se sabe que na política não há espaços vazios. O que não é ocupado por um, é ocupado pelo outro. Agora é tarde. Para lamentar a igreja.

Essa é a realidade que temos e com isso teremos que lidar com ela. Só temos que ter cuidado para que nossos principais líderes não cumprem seu desejo de incendiar o país e nos levar ao pior confronto. Fora desse detalhe, você tem que deixá-los jogar. Eles são comédia. Claro, já conhecemos comédias melhores e nunca é tão oportuno este momento no mundo para lembrá-lo. Vamos fazer história.

Após o evento que o Capitão Piluso significou, no final dos anos 60 e dentro do ciclo da Operação Ja Ha, Negro Olmedo fez mais um acerto: Rucucu, o mágico ucraniano. Sim, amigo leitor, o mágico Rucucu era ucraniano.

O personagem quebrou o que é chamado de quarta parede na televisão e começou a mostrar o que estava acontecendo por trás das câmeras. Técnicos, ponteiros e assistentes foram expostos ao ar pelo brilhante mágico que brincava com eles e falava conosco imitando o sotaque ucraniano. Ele finalmente pegou a lente da câmera e pediu ao espectador que não tocasse no botão da televisão (anos depois o controle remoto) e não mudasse de canal. “Não toque no botão” em ucraniano foi dito “não toque no botão”. Daí vem o que mais tarde se tornaria o título imortal do programa de maior sucesso do amado Olmedo.

Anos depois, aparece o comediante ucraniano, humorista político e agora presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski. Temos falado sobre ele nesta página desde que lançou o filme em abril de 2019, desafiando o ex-presidente Poroshenko a debater no Estádio Olímpico de Kiev antes da votação que o consagraria como vencedor.

Tão distante geograficamente e tão próximo no sentimento. Ele é um pouco Olmedo e um pouco Tato e acima de tudo ele é um presidente com bolas como raramente vimos.

De algum lugar em Moscou, Vladimir Putin desencadeou o horror e ameaça o mundo para apertar o botão. Vamos torcer para que de algum lugar do Universo, nossos queridos comediantes impeçam isso.

Desta vez não vai ser fácil se divertir, mas vamos tentar mesmo assim. É um prazer estar de volta.

A temporada começou.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.