Ministro português demite-se após acusação acusar o seu motorista de golpe fatal a 163 km/h | Internacional

Nuno Santos, 43 anos, foi atropelado no dia 6 de junho enquanto trabalhava na autoestrada A-6 de Portugal. O carro que o atingiu, que andava a 163 quilómetros por hora, bem acima do limite de velocidade (120 quilómetros por hora), era o carro oficial do ministro do Interior português, Eduardo Cabrita, que renunciou esta tarde. A demissão ocorre poucas horas depois de ter sido noticiado que o Ministério Público acusou o motorista do veículo, Marco Pontes, de homicídio culposo e o ministro minimizou sua responsabilidade no caso: “Sou apenas um passageiro”. “Cabe ao Estado de direito trabalhar, temos que confiar, ninguém está acima da lei”, disse Cabrita esta manhã durante um acto no Algarve em que também convidou a esclarecer os factos sem “ganhar qualquer vantagem política repugnante “. †

Esta resposta foi duramente criticada pela imprensa e alguns partidos da oposição portuguesa, que o acusaram de insensibilidade e exigiram a sua saída do governo. Cabrita esteve envolvido em várias polémicas políticas, alimentadas pela sua gestão de episódios trágicos como o atropelamento de Nuno Santos com o seu carro oficial ou, em março de 2020, a morte violenta do imigrante ucraniano Ihlor Homenyuk, 40 anos, enquanto detido num quarto sem câmeras por agentes do Serviço Nacional de Fronteiras, agência de segurança dependente de seu ministério. O escândalo causado por este caso levou à supressão do SNF e à divisão de poderes entre outras forças de segurança.

Na presença ministerial em que anunciou à tarde a sua demissão, Cabrita mostrou um tom mais compassivo, embora tenha reiterado que houve “exploração política” do acidente. “Lamento esta trágica perda irreparável mais do que ninguém e minha solidariedade vai para a família da vítima. Desde então, com grande sacrifício pessoal, verifiquei com espanto o uso político feito de uma tragédia pessoal”, disse.

O ministro garantiu pela manhã que as condições em que o motorista atravessou a rodovia deveriam ser esclarecidas e que a via não estava sinalizada. No entanto, a acusação da promotoria alega que foi denunciado e que os trabalhadores estavam devidamente equipados. “O suspeito dirigiu, naquela ocasião e local, em desrespeito às regras de velocidade e trânsito previstas no art. código da estrada: [reglamento de circulación] e independentemente das precauções exigidas pela prudência e diligência impostas por aquelas regras de condução”, é recolhido na carta, que publicou o jornal nesta sexta-feira Observador

O carro atropelou a faxineira, que estava ocupada com o separador central da rodovia no km 77,6. O ministro e outros três passageiros estavam no veículo, que tinha participado num protesto na escola da Guarda Nacional Republicana (GNR) em Portalegre. Foi a mesma agência de segurança, dependente do Ministério que anteriormente tinha estado a cargo de Cabrita, que colaborou no inquérito lançado pelo Departamento de Investigação e Acção Penal de Évora para apurar as circunstâncias do crime. para esclarecer o acidente.

Fato criticado por José Joaquín Barros, advogado que representa a família do funcionário falecido, em declarações ao jornal Público: “Estamos a falar de um Staatswagen para onde se deslocava o chefe da GNR e é exactamente a mesma GNR que está a colaborar com o Ministério Público na investigação. Mais transparência neste processo não faria mal.”

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

O evento também gerou críticas da oposição e da imprensa pelo obscurantismo em torno do episódio e pelo silêncio do secretário Cabrita. UMA relatório de pesquisa na rede de televisão SIC, realizado após este acidente fatal, apurou que as viaturas oficiais dos ministros costumam ultrapassar em muito os limites de velocidade e que a segurança rodoviária é o maior sacrifício devido à sobrecarga dos horários de trabalho. Tanto os detentores de Meio Ambiente quanto de Infraestruturas foram descobertos em jornadas aceleradas que são, em particular, superiores a 120 quilômetros por hora.

Durante a sua aparição inquestionável, Cabrita justificou o silêncio que mantinha sobre o acidente desde junho para evitar que fosse interpretado como “interferência” e explicou ainda que se manteve no cargo por causa da pandemia e do apoio do primeiro-ministro António Costa “Só lealdade , tempo e circunstâncias que enfrentamos há seis meses e a solidariedade do primeiro-ministro” permitiu-lhe seguir em frente. A saída de Cabrita é uma barreira política que muitos comentaristas têm recomendado a Costa para evitar que eles enfrentem uma campanha eleitoral sobrecarregada pelo tema.

Antes de Cabrita se descrever como um simples ocupante do veículo, o primeiro-ministro António Costa já o tinha definido assim quando falou pela primeira vez sobre o assunto em entrevista à SIC: “Se houvesse respeito, esperariam que as autoridades investigassem o que aconteceu e não aproveitar uma perda humana para realizar um ataque político a uma pessoa que era passageira de um carro”.

Acompanhe todas as informações internacionais em o Facebook e Twittero e nosso boletim semanal

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.