Menos de 1% das empresas têm seguro

O tema quente nos dias de hoje é a segurança do computador. Portugal sofreu vários ataques e o alerta “soou” dentro de várias empresas/instituições.

Uma análise recente revela que o risco cibernético é uma das maiores ameaças às empresas, figurando entre as principais preocupações de empresários e executivos. No entanto, a proteção e transferência deste risco pelo seguro ainda é residual em Portugal.

O seguro permite que empresas e organizações cubram as despesas de ataques cibernéticos

A MDS, multinacional portuguesa líder na consultoria de riscos e seguros, revelou que as empresas portuguesas não estão protegidas contra os impactos dos ciberataques, apesar de mais de um terço dos empresários e gestores identificarem o risco cibernético como um dos principais riscos que enfrentam .

As estimativas da consultoria multinacional de risco e seguros líder em Portugal indicam uma penetração residual de seguros para riscos cibernéticos em Portugal, com menos de 1% das empresas a disporem desta importante ferramenta de transferência de risco.

O seguro de risco cibernético permite que empresas e organizações cubram despesas para combater ataques cibernéticos, além de compensar perdas em caso de interrupção de negócios e proteger recursos para que o negócio possa se recuperar. andar.

Mas também pode incluir uma solução robusta de prevenção de ataques e serviços de monitoramento, resposta urgente a desastres e acesso a redes de especialistas em TI e peritos forenses com experiência comprovada em lidar com desastres.

Portugal está entre os 30 países com maior número de ciberataques no mundo, segundo dados da Kaspersky. O impacto global do cibercrime é estimado em mais de US$ 20 bilhões.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.