Manchester City e Liverpool, dois ambiciosos atacando os últimos quatro

Já pescoço a pescoço na Premier League, Manchester City e Liverpool buscam nada menos que o título continental. Respectivamente opostos ao Atlético de Madrid e ao Benfica Lisboa, terça-feira, nos quartos-de-final da Liga dos Campeões, os dois gigantes ingleses defrontam, na aparência, dois adversários ao seu alcance.

Na Premier League, eles são separados apenas por um ponto, lançado em um mano a mano ofegante. Manchester City e Liverpool vão colocar sua rivalidade em espera enquanto se concentram em suas ambições europeias. As partidas de ida dos quartos-de-final da Liga dos Campeões dos dois gigantes ingleses são disputadas na terça-feira, 5 de abril, respectivamente, frente ao Atlético de Madrid e ao Benfica Lisboa.

O Manchester City, líder do campeonato inglês, receberá de fato o atual campeão espanhol, atualmente terceiro na La Liga, em um dos principais cartazes desta nova rodada do C1.

Os adeptos do futebol aguardam com impaciência o duelo tático entre os treinadores Pep Guardiola e Diego Simeone, o apóstolo Cidadão do “jogo bonito” voltado para o ataque e o Colchonero seguidor do futebol pragmático.

Segundo os observadores, a primeira mão, disputada no Estádio Etihad, corre o risco de ser bloqueada, ou resumir-se a intermináveis ​​sequências ataque-defesa, opondo uma posse exclusivamente inglesa a um bloqueio hermético e disciplinado do Madrid.

Atlético mais ofensivo ‘do que as pessoas pensam’, diz Pep Guardiola

No entanto, cuidado com scripts escritos com antecedência. Porque se o Manchester City pode contar com Kevin De Bruyne, Raheem Sterling, Bernardo Silva ou Riyad Mahrez para animar a partida e deixar a retaguarda espanhola tonta, o Atlético também tem argumentos ofensivos com Antoine Griezmann, o jovem João Félix e o inox Luis Suarez, todos capaz de explodir através de qualquer defesa.

“Tendo visto eles jogarem, há ideias falsas sobre a forma como jogam”, disse Pep Guardiola na segunda-feira em entrevista coletiva. “Eles são mais ofensivos do que as pessoas pensam. Não correm riscos na construção, mas têm muita qualidade no terço final [du terrain].”

Mesmo devendo temer as ondas ofensivas dos Citizens, Diego Simeone certamente lembra que a única vez que os dois treinadores se enfrentaram no cenário europeu, nas semifinais da Liga dos Campeões em maio de 2016, foram seus Colchoneros que conseguiram chegar à final. Então no comando do Bayern de Munique, Pep Guardiola foi eliminado apesar do domínio total dos bávaros na segunda mão, com uma posse de 68% e 34 chutes, incluindo 12 no alvo, graças ao gol fora de casa marcado por Antoine Griezmann . Uma regra que foi abolida este ano.

“Teremos que gerir muitos cruzamentos, seus contra-ataques, e tentar colocar muitos jogadores na área”, explicou Diego Simeone, em conferência de imprensa. “Vamos tentar levar o jogo onde queremos prejudicá-los com a forma como jogamos há vários anos”.

Um Benfica imprevisível

Se corre, portanto, o risco de assistir a uma oposição de estilos do lado do Manchester, o Liverpool, ultra favorito no seu quarto frente ao Benfica, tem encontro marcado com um adversário imprevisível, moribundo a nível nacional mas eficaz no C1.

Contrariando todas as previsões da jornada anterior, que os viu eliminar o Ajax Amsterdam (2-2, 0-1), o clube lisboeta é mesmo o convidado surpresa dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, à qual está de regresso pela primeira vez desde a temporada 2015-2016.

No entanto, o Benfica, que não conquista um título nacional desde 2019, está a ter uma temporada bastante sem brilho em comparação com a sua posição e as expectativas dos seus adeptos, embora tenha o avançado uruguaio Darwin Nuñez nas suas fileiras, capaz a qualquer momento com um estrondo .

Terceiro no campeonato, a 15 pontos do FC Porto, que também os eliminou nos oitavos-de-final da Taça de Portugal, derrotado pelo Sporting, rival de Lisboa, na final da Taça da Liga, os “águias” vão todos direto para um nova temporada intocada.

Para piorar a situação, o clube está no limbo total no que diz respeito à sua gestão. O seu atual treinador, Nelson Veríssimo, só está interino desde que substituiu o carismático Jorge Jesus no final de dezembro, que deixou o cargo devido a maus resultados e rebuliço no vestiário. Segundo a imprensa portuguesa, Nelson Veríssimo será substituído no final da temporada.

É, pois, neste contexto, aparentemente muito favorável e talvez até propício ao excesso de confiança, que o rolo compressor moldado por Jürgen Klopp se apresentará no Estádio da Luz.

Perdendo o Inter de Milão nos oitavos-de-final, os “vermelhos” ainda terão de “estar no (seu) máximo” na terça-feira se quiserem juntar-se às meias-finais do C1 e evitar uma possível armadilha lisboeta, alertou o treinador Jürgen Klopp.

“Estar ao máximo é o projeto para todos os jogos”, disse o técnico alemão durante a conferência de imprensa na véspera do jogo. “O Benfica é uma das equipas que mais títulos conquistou em Portugal, embora não esteja onde gostaria de estar na tabela, mas tem feito uma boa campanha na Liga dos Campeões”.

Um aviso que o Liverpool terá em mente no início desta primeira mão, para a qual Jürgen Klopp pode contar com toda a sua equipa, incluindo as suas duas estrelas africanas Sadio Mané e Mohamed Salah.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.