mais de 1.500 bombeiros ainda mobilizados contra um incêndio em um parque natural

Mais de 1.500 bombeiros ainda estavam mobilizados na manhã desta quinta-feira, 11 de agosto, para extinguir um incêndio florestal que assola o Parque Natural da Serra da Estrela, zona montanhosa do centro de Portugal há vários dias.

A vila de Manteigas acordou na quinta-feira com o som de um helicóptero bombardeiro de água a reabastecer uma pequena albufeira no rio Zêzere, apenas para desaparecer no fumo que pairava sobre as colinas circundantes, notou uma equipa no local.

VEJA TAMBÉM – Incêndio: 6.800 hectares queimados no Gironde

O incêndio, que deflagrou na cidade da Covilhã no sábado, mobilizou mais uma dezena de forças aéreas na manhã de quinta-feira para “continuar o trabalho de consolidação“e superar”frentes ainda ativasO comandante da Defesa Civil, Miguel Cruz, explicou ao canal de televisão pública RTP. Na quarta-feira, um parque de campismo e uma praia fluvial da região tiveram de ser evacuados por precaução. Este incêndio florestal, estimado em 25 quilómetros na quarta-feira, já consumiu cerca de 10 mil hectares, segundo o Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais (EFFIS). “Estamos falando de uma grande circunferência“mas nós”Faremos todo o possível para controlar esse incêndio o mais rápido possíveldisse o comandante Cruz.

O Parque Natural da Serra da Estrela estende-se por mais de 100.000 hectares na montanha mais alta de Portugal Continental, com o seu pico a cerca de 2.000 metros acima do nível do mar. Este local foi classificado como Geoparque Mundial pela Unesco em 2020 devido ao seu excepcional patrimônio geológico. Os autarcas de vários municípios afetados por estes incêndios, que já causaram vários ferimentos ligeiros aos bombeiros, criticaram particularmente a má gestão dos recursos no terreno. “Existem supostamente muitas maneiras” mas “nós não os vemosSérgio Costa, Presidente da Câmara da Guarda (Norte) reclamou em declarações à RTP. Por seu lado, Flavio Massano, autarca de Manteigas, criticou a má gestão dos abastecimentos aéreos no início da semana, argumentando que os auxílios visaram sobretudo proteger as zonas de passagem do cicloturismo por Portugal, em detrimento da floresta .


VEJA TAMBÉM – Portugal: especialista florestal critica “despreparo” nos incêndios

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.