Loire-Atlantique: Patrick e Catherine estão vendendo sua casa e vão viajar pelo mundo de barco

Patrick e Catherine Duruflé em seu barco atracado no porto de Pornichet (Loire-Atlantique) de onde partirão neste domingo 27 de março de 2022 ©Frédéric PROT

“Eu queria ter um osso para roer. » Aposentado desde 1é Abril de 2021, Patrick Duruflé “queria fazer uma longa viagem de barco ».

“Para mim, ter um que fica o tempo todo no porto e que usamos um mês por ano, não é muito lógico”, sublinha este antigo chefe de uma pequena empresa especializada na instalação de sistemas. alarme de vídeo em Ile-de-France.

“Uma casa flutuante”

O projeto amadureceu. E há dois anos e meio, com sua esposa Catherine, este residente secundário em Assérac (Loire-Atlantique) encomendou um catamarã Astra 42 com um comprimento superior a 12 m e uma largura de 7,20 m. .

« Em 50 m2 habitável. É uma casa flutuante. Faço o paralelo com uma autocaravana mais espaçosa. O que eu gosto é que temos uma visão 360º que é extraordinária”, aprecia a esposa.

a Mares para ver tem quatro cabines, incluindo “uma suíte com um verdadeiro chuveiro italiano”.

“É superconfortável. Poderíamos ter colocado uma máquina de lavar roupa e uma máquina de lavar louça, não o fizemos, são escolhas. Seremos apenas dois. E se houver mais de nós, haverá mão de obra. »

Catherine Duruflé

No final de janeiro de 2022, o casal foi buscar seu bebê grande em La Rochelle com Xavier Leroy de La Baule Nautic, que o vendeu para eles.

“Ele também descerá conosco para Lisboa, uma vela de cinco dias, para garantir que todas as configurações estejam em ordem. »

Vídeos: atualmente no Actu

“Em Portugal, ele vai nos deixar. Nós vamos colocar rumo ao Mediterrâneo. Visitaremos as Ilhas Baleares, depois a Sardenha e a Córsega, onde somos convidados para um casamento no final de agosto”, explica Patrick, que navega desde jovem.

Nas Índias Ocidentais no próximo inverno

“Em outubro, sairemos do Mediterrâneo para ir ao Canárias. Vamos nos juntar a uma flotilha de barcos lá como parte do Rali das Ilhas do Sol. No final de outubro, assumiremos juntos a gestão do cabo Verde. De lá, voltaremos a nos reagrupar antes de cruzar o Atlântico no início de novembro para Guadalupe. Na chegada, vamos esperar para dizer adeus. Então vamos virar no Antilhas durante seis meses. »

62º aniversário no mar

Depois de ? ” Ainda não sabemos. Não estamos em modo regata, não temos constrangimentos. Os únicos que temos é o clima e depois também os nossos filhos, a nossa família. que venham ou vão vê-los”, observa o jovem de sessenta e poucos anos que completará 62 anos no mar na quarta-feira, 30 de março.

Porque a grande partida do porto de Pornichet está finalmente marcada para este sábado, 26 de março. “É um belo presente de aniversário. Francamente, seria inapropriado que ele reclamasse, porque era ele quem o queria”, sorri Catarina, 60 anos a 22 de julho, que, para esta viagem, deixou o seu emprego de agente comercial na ‘tabela de arte’.

“Também é difícil dizer a nós mesmos que estamos largando tudo”

O casal também vendeu sua casa em Fontenay-sous-Bois (Val-de-Marne).

“Gosto da ideia dessa nova vida, mas é verdade que é difícil dizer a si mesmo que está desistindo de tudo. Em todos os negócios, você tem que fazer ordenações, seleções. Uma vida inteira para colocar em papelão para certas coisas, não é fácil”, reconhece Catherine.

O que eles esperam de sua jornada? “Que divertido. Com Patrick gostamos de viajar, descobrir novos horizontes, novas formas de viver, conhecer pessoas. »

Uma jornada compartilhada com jovens com deficiência

A sua aventura, Catherine e Patrick também a partilharão com 14 adolescentes da Associação Juventude e Futuro de La Baule. Uma iniciativa lançada pelo Lions clube Paris Vent d’Ouest que realiza ações em torno do handicap. Apresentamos nosso projeto a esses jovens em seu estabelecimento. Eles vieram visitar o barco. Assim que sairmos, falaremos com eles a cada duas semanas, por e-mail, pela internet se as conexões estiverem corretas… Podemos enviar fotos, eles nos farão perguntas. A ideia é fazê-los viajar”, ​​resume Patrick.

“Enquanto tivermos saúde…”

A duração de sua viagem? “Nós nos demos dois anos, mas se correr mal, pode ser encurtado e se correr bem, pode ser prorrogado”, responde o navegador. “Desde que você esteja saudável e tudo esteja bem, pode durar até 10 anos. O que talvez nos faça voltar à França com mais frequência é quando tivermos netos”, conclui Catherine.

Este artigo foi útil para você? Observe que você pode seguir L’Écho de la Presqu’île na seção Minhas notícias. Em um clique, após o cadastro, você encontra todas as novidades de suas cidades e marcas favoritas.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.