Le Diamant, os destroços da zona proibida

Cinco séculos depois, em 2008 e 2009, encontramo-nos num sítio de arqueologia marítima que parece um pouco surreal. Um grupo de pesquisadores usando chapéus e cobertos de protetor solar escava um navio que fica seis metros abaixo do nível do mar, com o Oceano Atlântico retido por um enorme muro de contenção de terra que vaza um pouco em sua base. Câmeras de televisão, instaladas ao redor do perímetro do local, monitoram os movimentos de todos, lembrando que, apesar da emoção da descoberta, esta ainda é uma mina de diamantes. E uma mina rica, onde os diamantes podem ser misturados com as areias que os arqueólogos estão varrendo.

“Se não fossem esses lingotes de cobre muito pesados, não haveria mais nada para encontrar aqui”, disse Bruno Werz, diretor do Instituto de Arqueologia Marítima da África Austral, que foi chamado da Cidade do Cabo para participar do escavações. “Cinco séculos de tempestades e ondas teriam levado tudo. »

Werz e uma equipe de pesquisadores examinaram os destroços, medindo, fotografando, escaneando o local milímetro por milímetro com um scanner a laser tridimensional. Entre outras coisas, tentaram reconstruir os últimos momentos de aflição do navio, no mínimo dramáticos: os restos mutilados do casco e um emaranhado de velas, mastros e cordames, sacudidos pela ondulação, derivando para o norte com a corrente e provavelmente quebrando no caminho. Os mineiros encontraram um enorme bloco de cordame de madeira 5 quilômetros mais acima na costa.

E as pessoas a bordo, Dom Francisco e os outros?

“Uma tempestade de inverno ao longo desta costa é realmente algo”, disse Dieter Noli, arqueólogo residente da mina, que vive e trabalha nesta parte do deserto do Namibe há mais de uma década. “Deve ter balançado, com ventos de mais de 128 quilômetros por hora e uma enorme onda. Teria sido praticamente impossível chegar à costa. Por outro lado, se a tempestade tivesse parado e o navio encalhado em um daqueles dias calmos e nebulosos que também vivemos por aqui, isso abriria todo tipo de possibilidades interessantes. »

Poderia ter acontecido. Embora a descoberta de ossos de dedos humanos em um sapato preso sob uma massa de madeira indique que pelo menos uma pessoa não sobreviveu, estes são os únicos restos humanos recuperados perto dos destroços. E poucos itens pessoais foram encontrados entre os artefatos. Esses fatos levam os arqueólogos a acreditar que, apesar do deslocamento do navio ao longo da linha de arrebentação, muitos, senão a maioria, dos que estavam a bordo conseguiram chegar a terra firme.

Depois disso ? É um dos lugares mais inóspitos da Terra, um deserto desabitado de areia e arbustos que se estende por centenas de quilômetros. Era inverno. Os sobreviventes provavelmente estavam com frio, exaustos e desesperados. Eles não tinham esperança de serem resgatados ou procurados, pois ninguém sabia que estavam vivos, muito menos por onde começar a busca. Nenhum navio passaria por acaso; estavam longe das rotas comerciais. E quanto ao retorno a Portugal, a tripulação poderia ter naufragado em Marte.

No entanto, de acordo com Noli, as coisas não precisavam terminar mal para os náufragos. O rio Orange fica a apenas 25 quilômetros ao sul do naufrágio, uma fonte de água doce que eles podem ter notado florescendo enquanto flutuavam perto de sua foz. E não faltou comida: mariscos, ovos de aves marinhas e caracóis do deserto.

Além disso, os portugueses poderiam ter conhecido os especialistas locais em sobrevivência. O inverno era a estação em que os caçadores-coletores conhecidos hoje como o Bosquímanos se aventurou para o norte ao longo desta costa na esperança de encontrar as carcaças de baleias francas do sul que ocasionalmente aparecem na costa.

Segundo Noli, cabia aos portugueses decidir como se comportariam durante esses encontros. “Se eles estivessem na mentalidade de negociar em vez de tentar tomar, não há razão para acreditar que todos não poderiam se dar bem. Os poucos pequenos grupos de caçadores-coletores ao longo do rio não tinham pressão sobre pessoas e recursos e, portanto, não ser agressivo com os recém-chegados. Pelo contrário, um dom português alto e robusto poderia ser considerado um genro ideal. »

Qualquer que seja seu destino final, os sobreviventes do Bom Jesus não fazia ideia da requintada ironia com que as suas orações, há tanto tempo pronunciadas em Lisboa, acabavam de ser respondidas. Eles haviam embarcado em uma grande jornada em busca de riquezas, prometendo altares e ícones em troca de seu sucesso. Eles haviam chegado a uma costa inimaginavelmente rica, um trecho de 300 quilômetros de deserto tão rico em diamantes de alta qualidade que, no início de 1900, um explorador chamado Ernst Reuning apostou em quanto tempo levaria para encher um copo de lata com pedras preciosas encontradas em a areia: menos de dez minutos.

Por muito tempo, o grande rio transportou milhões, senão bilhões, de diamantes de jazidas localizadas até 2.735 quilômetros para o interior. Apenas as pedras mais duras e brilhantes, algumas pesando centenas de quilates, sobreviveram à jornada. Derramaram-se no Atlântico na foz do rio e foram arrastados ao longo da costa, levados pela mesma corrente fria que outrora transportou os Bom Jesus ao seu triste destino.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.