“Jogar a manutenção não me interessa”

P: Qual é a sua avaliação da sua experiência no Al-Hilal?

R: “Ela foi fantástica. Primeiro, um grande sucesso esportivo, pontuado por uma boa semifinal do Mundial de Clubes contra o Chelsea (derrota por 1 a 0). Por outro lado, adorei este país, minha história com Riad. Além disso, o clube e eu mantemos boas relações. Me adaptei a uma cultura diferente, comportamentos específicos”.

P: Você não teve uma proposta europeia depois de Mônaco?

R: “Se tivesse propostas de clubes visando títulos, teria ficado na Europa. Mas sou muito claro: gosto de golos altos. É mais importante do que a fama do campeonato. Desde a minha estreia em Portugal D3, Meu objetivo é chegar ao topo da tabela. Minha paixão pelo futebol vem daí.”

“Preciso da pressão para vencer todos os fins-de-semana. Coloco-a na minha equipa, no meu grupo. Gosto disso.”

P: Isso não o exclui das principais ligas?

R: “Este verão, recebi uma proposta de um clube inglês que joga no meio da tabela. Não aceitei. Jogar a manutenção não me interessa, não me motiva. Minha ambição pessoal sempre me levou a nunca aceitar este tipo de projeto. Em todos os lugares, estou aberto ao Top 6 ou 7, a um projeto ambicioso, com uma vontade real de progredir e subir. Preciso da pressão de vencer todos os finais de semana. Coloco na minha equipe, no meu Eu gosto. Não procuro conforto.”

Q: Você poderia ficar muito tempo sem um clube?

R: “Se assumo um projeto que não me interessa, estou enganado. Estou enganando o clube, os torcedores. Não gosto disso. Quando estou trabalhando, estou totalmente envolvido, 100% envolvido. Caso contrário, prefiro ficar sem nada. Bem, sem nada… viajo, vejo muitos jogos, administro meus assuntos pessoais e desfruto de meus entes queridos.”

P: Você não tem medo de ser esquecido?

R: “É um risco. Levei-o toda a minha vida. A partir da Madeira, saí da minha zona de conforto com vontade de ir longe no futebol. Sigo em frente. Normalmente as oportunidades são diferentes das imaginadas. Se, para satisfazer as minhas ambições, tenho de ir ao Japão, aos Estados Unidos ou à Turquia, sem problemas! Mantenho-me consistente. É a minha personalidade, a minha forma de viver o desporto. Sou um homem do mundo. Depois de Portugal, Grécia, França e Arábia Saudita, tenho toda a intenção de viver novas experiências. E posso olhar para diferentes continentes.”

“Tornar-me treinador seria um novo passo e também acabaria com a minha experiência no clube”.

Q: Você planejou o fim de sua carreira?

R: “Tenho 47 anos. Comecei aos 21. Dou-me cerca de cinco anos. Depois disso, vou ver se consigo outras posições, como treinador ou director desportivo, sem o trabalho diário no relvado. Treinador, é muito intenso por curtos períodos, com gestão reativa dos jogadores. E é um longo trabalho de observação e relacionamento. ), Carlos Queiroz (Egito) ou Paulo Bento (Coreia do Sul). Ser treinador seria um novo passo e também acabaria com a minha experiência no clube.”

P: Aciona as redes de influência portuguesas para encontrar emprego?

R: “Ao contrário do que as pessoas pensam, tenho poucas redes. Além disso, as últimas ofertas, Al-Hilal ou meu retorno ao Mônaco, foram ao ar. No início de março, recebi uma proposta da mesma maneira. Acredito que agora, as pessoas conhecem meu trabalho. Quem quiser me conhecer melhor, entra em contato comigo. A gente se vê, conversamos. É fácil. Ninguém faz propaganda para mim. Encontrar um clube assim é mais difícil. , mas facilitar meu trabalho depois . Você pode ser claro com os jogadores. Você serve aos melhores interesses da equipe e do clube. Sem os jogos de poder interno de um clube. Não estou em dívida com ninguém. Essa é a minha força.”

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.